Está cada vez mais perto o início da Feira do Livro. Nos Jardins do Palácio de Cristal ultimam-se os preparativos para acolher o grande festival literário da cidade, que decorre entre 28 de agosto e 13 de setembro.


A montagem dos 119 stands onde editoras, distribuidores, livreiros, alfarrabistas, entidades públicas e privadas, vão vender os melhores livros aos melhores preços, iniciou-se há uma semana, e os detalhes vão sendo afinados para a celebração da leitura.


Com início um pouco mais cedo do que o habitual, ainda em agosto, a Feira do Livro prolonga-se depois até ao dia 13 de setembro. Serão mais de duas semanas de puro encontro com a palavra, em todas as suas formas de expressão ou apresentação: da literatura à poesia, da rádio à música, convergindo numa programação que se abre à "Alegria para o fim do mundo".


Um mote sugestivo face ao atual momento da história mundial, que parte aliás, de uma das escritoras residentes desta edição, Andreia C. Faria, que com Inês Lourenço compartilhará o processo dessa residência com o público, no final da Feira do Livro.


O poder da palavra no feminino, transversal em toda a estrutura programática, justifica duas homenageadas: a poeta Leonor de Almeida, personalidade ainda misteriosa para a generalidade do público, que verá o seu nome eternizado na Avenida das Tílias, e ainda a imunologista e também poeta Maria de Sousa, que faleceu recentemente vítima da Covid-19.


Com entrada limitada a 3.500 pessoas de cada vez, a Feira do Livro do Porto, organizada pelo Município nos Jardins do Palácio de Cristal desde 2014, estará ainda sob a vigilância atenta do Batalhão de Sapadores Bombeiros do Porto, organismo responsável pela limpeza especial do recinto.

Mais artigos

  • Câmara Municipal do Porto


    Atualizado pela última vez 2020-08-21