Os “Cinemas Piolho” eram aquilo a que hoje se convencionou chamar de “cinema improvisado”. Para a exibição de um filme, bastava uma sala ampla, um ecrã para projeção (que podia, nalguns casos, ser um lençol branco) e um projetor com algum alcance. A tradição caiu por terra, com os recentes cinemas tecnológicos, mas a Fundação INATEL retoma a tradição, com a iniciativa “Salão Piolho”, de 9 a 12 de dezembro.

 

É uma iniciativa da Fundação Inatel que procura assim retomar uma tradição do antigamente, os chamados “cinemas piolho”.

 

Aludindo ao pequeno (e temido) animal, que salta de portador em portador, estas eram sessões que aconteciam em vários locais das grandes cidades, na maior parte dos quais de forma improvisada, tendo por objeto o mero gosto e intuito de ver e partilhar cinema (os seus títulos, atores e emoções).

 

A pensar nisso, a Inatel criou, há alguns anos, a iniciativa “Salão Piolho”, um grande evento que (no sentido figurado) abre as “portas” a todos aqueles que adoram cinema, música e património.

 

Promove, de 9 a 12 de dezembro, um conjunto de cinco cine-concertos em cinco espaços diferentes da cidade do Porto, com a apresentação de géneros cinematográficos e musicais distintos, que vão do jazz à eletrónica, passando pela música tradicional portuguesa. E todos gratuitos.

 


Programa de Cine-Concertos

 

O evento arranca no dia 9 de dezembro, às 21h30, no Cinema Trindade, com a exibição de uma sessão de cinema mudo do realizador Georges Pallu. A sessão conta com a exibição dos clássicos “Barbanegra” e “Frei Bonifácio”, com música ao vivo do músico Charlie Mancini e dobragem dos atores João Didelet e Marcantonio Del Carlo.

 

No dia seguinte, 10 de dezembro, às 22h00, o CCOP – Círculo Católico Operário do Porto acolhe “Surdina”, filme assinado pelo realizador Rodrigo Areias e musicado por Tó Trips, uma das metades dos Dead Combo.

 

Sábado, 11 de dezembro, conta com duas sessões: às 16h30, a Fundação Inatel apresenta o cine-concerto “Sherlock Jr.”, de Buster Keaton, com música de Charlie Mancini; e às 22h00, o Cinema Passos Manuel exibe “Lisboa, Crónica Anedótica”, clássico do cinema português assinado por Leitão de Barros e musicado ao vivo por Ricardo Gordo.

 

Esta 5ª edição do “Salão Piolho” no Porto termina no domingo, 12 de dezembro, com “O Couraçado Potemkine”, do russo Sergei Eisenstein, com música ao vivo do projeto Filho da Mãe. O cine-concerto terá lugar na Casa das Artes, às 18h30.

 

Todas as sessões têm entrada livre, até à lotação definida na sala. Mais informações disponíveis em http://inatel.pt.

Mais artigos

  • Ágora - Cultura a Desporto do Porto


    Atualizado pela última vez 2021-11-25