Volvidos 250 anos desde o lançamento da primeira pedra do Hospital Geral de Santo António, a Santa Casa da Misericórdia do Porto vai investir meio milhão de euros na limpeza da sua fachada e conta com o apoio do Município entre os mecenas. O anúncio formal da empreitada foi feito durante a cerimónia das comemorações, que contou com a presença de várias instituições e individualidades da cidade, entre as quais Rui Moreira.


A Santa Casa da Misericórdia do Porto (SCMP) vai investir 500 mil euros na intervenção do Hospital de Santo António, classificado Monumento Nacional desde 1910, contando com o mecenato da Câmara do Porto, assegurado desde a primeira hora por Rui Moreira à instituição.


"Graças à ajuda de alguns parceiros, vamos conseguir limpar a fachada e devolver o esplendor daquele edifício. Dizer que ele está ali, que é uma instituição da cidade, que foi feito por gente da cidade e que é um hospital da cidade", assinalou, citado pela agência Lusa, o provedor da SCMP, António Tavares.


Projetado pelo arquiteto inglês John Carr, o edifício tem atualmente a fachada bastante enegrecida, e na sua já longa história de vida, nunca tinha sido sujeito a um processo de limpeza exterior de fundo, o que vai acontecer agora, estimando o responsável que o Hospital de Santo António ressurja de cara lavada em 2021.


A intervenção levada a cabo pela centenária Cooperativa dos Pedreiros do Porto - associação responsável por projetar também o edifício da Câmara Municipal do Porto, o Palácio dos Correios e o Monumento dos Heróis da Guerra Peninsular, na Rotunda da Boavista - terá a duração aproximada de um ano e vai devolver a tonalidade original ao hospital de referência do Norte do país.


Organizada pela Misericórdia do Porto e pelo Centro Hospitalar Universitário do Porto, a cerimónia das comemorações dos 250 anos sobre o lançamento da primeira pedra, envolveu uma sessão solene e um concerto da Banda Sinfónica Portuguesa, nos jardins do edifício, em homenagem aos profissionais de saúde que se encontram na linha da frente ao combate da COVID-19.


O emblemático hospital da cidade, que começou a ser construído nos anos de 1770, foi inaugurado em 1824 numa obra encomendada pela Santa Casa da Misericórdia, proprietária desde a sua fundação.


Após o trabalho de limpeza concluído, a fachada do hospital vai ser iluminada à noite, para que seja possível apreciar melhor a magnitude do edifício desenhado pelo influente arquiteto inglês, que enviou os planos para o Porto e nunca terá visto a obra presencialmente.


Com uma arquitetura inspirada nos hospitais ingleses da época, o edifício com 250 anos de história, soma já guerras, revoluções e pandemias na propriedade da Santa Casa, que é curadora do seu espólio artístico e cultural, mesmo depois de no 25 de Abril o Estado Português ter assumido a sua gestão.


O inventário do hospital contempla 1020 peças, que vão desde a pintura, à escultura, artes decorativas e ainda mobiliário e cerâmica, que se encontram depositados em exposição no edifício.

Mais artigos

  • Câmara Municipal do Porto


    Atualizado pela última vez 2020-07-16