A hora mudou na madrugada deste domingo, com a entrada em vigor do horário de inverno. Pretexto para revisitar um relógio que é, provavelmente, dos mais fotografados e filmados do Porto.


Não é o relógio mais antigo da cidade, nem o mais icónico, especialmente tendo em conta que na Invicta há exemplares tão distintos como são o relógio do edifício da Paços do Concelho (Câmara do Porto) ou o da Torre dos Clérigos. No entanto, aquele que se encontra na esquina entre a Rua de Santa Catarina e a Rua de Passos Manuel estará, com alguma certeza, entre os relógios mais fotografados e filmados por quem visita o Porto. Isso deve-se ao simbolismo de que está carregado.


Referimo-nos ao relógio na fachada do edifício das antigas Galerias Palladium, que não se limita a assinalar a passagem do tempo, mas conta também um pouco da história do Porto e de algumas das suas figuras mais emblemáticas. É comum os transeuntes deterem-se alguns instantes a assistir (e a fotografar ou filmar) à cena que se desenrola, de três em três horas: as portas sob o relógio abrem-se e quatro figuras surgem, enquanto soam as badaladas do carrilhão.


E que figuras são essas? Quatro nomes profundamente relacionados com a história e a identidade do Porto: São João, o Infante D. Henrique, Almeida Garrett e Camilo Castelo Branco. Todos eles dispensam apresentações, mas ainda assim é justo assinalar que se trata do santo acarinhado e anualmente celebrado pelos portuenses, da figura crucial para o período dos Descobrimentos, e de dois nomes eminentes da literatura portuguesa e muito ligados ao Porto.


Após um par de minutos, as figuras regressam ao interior do relógio e os espectadores prosseguem o seu caminho.

Mais artigos

  • Câmara Municipal do Porto


    Atualizado pela última vez 2020-10-26