A nova edição do Festival Internacional de Teatro de Expressão Ibérica apresenta um cartaz com 12 espetáculos nacionais, quatro internacionais – três deles em estreia nacional -, e ainda sete em estreia absoluta. O luto, a disforia e o prazer são os temas que marcam a programação, que continua a contar com um formato online.   

 

De 10 a 22 de maio, o Festival Internacional de Teatro de Expressão Ibérica (FITEI) retoma o formato maioritariamente presencial, depois de duas edições condicionadas pela pandemia. 

 

Durante 12 dias, o evento ocupa 11 salas de Porto, Matosinhos, Vila Nova de Gaia e Viana do Castelo, para além de manter o formato online, permitindo assim que os espetáculos possam ser vistos em várias partes do país (e do mundo). Assegura assim a missão de promoção e divulgação do teatro e das artes performativas de forma global.

 

Do cartaz saltam à vista quatro propostas internacionais de reconhecidos encenadores ibero-americanos, como Marta Pazos com a recriação do clássico “Othello” (nos dias 21 e 22 de maio, no Teatro Nacional São João); Guillermo Calderón, com a apresentação de “Dragón”, a 14 e 15 de maio (no Teatro Nacional São João); Marina Otero, com a estreia nacional de “Fuck Me” (a 17 de maio, no Rivoli); e Pedro Vilela, com o novo espetáculo “Figueiredo” (de 13 a 15 de maio, no Auditório Municipal de Gaia e no Teatro Municipal Sá de Miranda, em Viana do Castelo). 


Do cartaz deste ano faz ainda parte um conjunto de 12 artistas de companhias nacionais, com espetáculos de Miguel Loureiro, Palmilha Dentada, a dupla Joana Von Mayer Trindade & Hugo Calhim, Teresa Coutinho, Albano Jerónimo, João Telmo, Nuno M. Cardoso, Miguel Bonneville & Sofia Dinger, Pedro Frias/Assédio, Teatro do Frio, Teresa Arcanjo e ainda a associação Apuro, em colaboração com a artista argentina, Pilar Ruiz.  

 

Através das perspetivas de género, dos processos de cura e reparação e do puro hedonismo, serão apresentados um conjunto de espetáculos de teatro, dança, performance e música, residências artísticas, masterclasses, workshops, lançamentos de livros e exposições, que prometem interpelar os espetadores com a grande cena contemporânea nacional e ibero-americana. Destaque ainda para as atividades paralelas “Isto não é uma Escola Fitei” e “Fitei Aberto”, espaços de encontro entre o público do festival, os artistas e os públicos de outras áreas. 

 

O FITEI divide assim os espetáculos, neste ano, pelo Teatro Helena Sá e Costa (ESMAE), Teatro Nacional São João, Teatro Carlos Alberto - TECA , Sala de Bolso, Teatro Municipal - Rivoli, mala voadora, Teatro Municipal - Campo Alegre, Mosteiro de São Bento da Vitória, Auditório Municipal de Gaia, Teatro Municipal de Matosinhos Constantino Nery e Teatro Municipal Sá de Miranda (em Viana do Castelo). 

 

A programação completa está disponível em http://fitei.com

 

Texto: José Reis

Mais artigos

  • Ágora - Cultura e Desporto do Porto


    Atualizado pela última vez 2022-04-11