15 Fevereiro 2021 a 21 Fevereiro 2021

NO HISTORY IN A ROOM FILLED WITH PEOPLE WITH FUNNY NAMES 5

06/11/2020

Esta é a primeira exposição em Portugal de Korakrit Arunanondchai (Tailândia, 1986), artista que se move entre os campos do vídeo, da performance, da escultura e da instalação e que se divide entre duas culturas: a do oriente, onde nasceu e cresceu e a ocidental, em particular a dos EUA, onde a partir de 2009 estudou artes e onde tem vivido nos últimos anos (alternando com estadas na Tailândia). A obra de Arunanondchai explora e relaciona temas como religião e mitologia orientais, ambiente, ecologia, música, geopolítica e desenvolvimento tecnológico, contrapondo a espiritualidade asiática ao pragmatismo ocidental. Arunanondchai reflecte sobre a vida contemporânea e a situação da humanidade no tempo da tecnologia, especulando sobre as consequências do Antropoceno, era recentemente definida e que marca o efeito da actividade humana enquanto força ambiental dominante no planeta, capaz de alterar a sua composição geológica. Na sua prática, o artista recorre a acontecimentos e experiências de cariz autobiográfico. Em várias obras, amigos e familiares participam e são de alguma forma envolvidos no trabalho. No history in a room filled with people with funny names 5 (2019) é uma instalação feita em parceria com o artista Alex Gvojic (E.U.A., 1984), amigo com quem tem vindo a trabalhar há vários anos. Boychild, artista ligada à performance e à dança que tem regularmente colaborado com Korakrit Arunanondchai, é também uma figura presente nesta obra. No history in a room filled with people with funny names 5 envolve o espectador num ambiente nocturno e misterioso em que uma tripla projeção vídeo é conjugada com raios laser emitidos a partir de uma escultura que sugere uma figura humana jacente. A terra que cobre o chão e a presença de materiais naturais (conchas, ramos) lembram um ambiente pré- ou pós- histórico. No history in a room filled with people with funny names 5 congrega uma grande diversidade de imagens e de sons, criando uma atmosfera excessiva, envolvente e perturbadora. Os vídeos juntam filmagens originais — como as registadas por um drone da estação de rádio de Ramasum Camp, símbolo da história recente da Tailândia enquanto aliada dos EUA durante a guerra do Vietname e agora transformada em destino turístico — e outras pré-existentes, como a transmissão televisiva do episódio mediático do resgate de 12 rapazes e do seu treinador de futebol que ficaram presos numa gruta na Tailândia em 2018. Esta obra foi inicialmente encomendada pelo Centre d’Art Contemporain Genève para a Biennale of Moving Image de 2018 e apresentada na Bienal de Veneza em 2019.

Natureza em Casa

15/01/2021

Continuaremos a sugerir atividades, jogos ou desenhos para os mais novos, para que se divirtam a descobrir a natureza e as artes, em casa e em família.

Serralves Acessível

15/01/2021

Explicamos a Fundação de Serralves em vídeos em língua gestual portuguesa, também legendados. Descubra a história da Fundação, os seus espaços e projetos.

Design at Home

27/01/2021

A Casa do Design lança uma rubrica online com sugestões de atividades para fazer em casa com os mais novos. Design at Home é o nome de uma das rubricas online da Casa do Design, com sugestões de atividades educativas para fazer com os mais novos. As propostas são desenhadas a partir do arquivo de exposições apresentadas na Casa do Design nos últimos anos.


NO HISTORY IN A ROOM FILLED WITH PEOPLE WITH FUNNY NAMES 5

06/11/2020

Esta é a primeira exposição em Portugal de Korakrit Arunanondchai (Tailândia, 1986), artista que se move entre os campos do vídeo, da performance, da escultura e da instalação e que se divide entre duas culturas: a do oriente, onde nasceu e cresceu e a ocidental, em particular a dos EUA, onde a partir de 2009 estudou artes e onde tem vivido nos últimos anos (alternando com estadas na Tailândia). A obra de Arunanondchai explora e relaciona temas como religião e mitologia orientais, ambiente, ecologia, música, geopolítica e desenvolvimento tecnológico, contrapondo a espiritualidade asiática ao pragmatismo ocidental. Arunanondchai reflecte sobre a vida contemporânea e a situação da humanidade no tempo da tecnologia, especulando sobre as consequências do Antropoceno, era recentemente definida e que marca o efeito da actividade humana enquanto força ambiental dominante no planeta, capaz de alterar a sua composição geológica. Na sua prática, o artista recorre a acontecimentos e experiências de cariz autobiográfico. Em várias obras, amigos e familiares participam e são de alguma forma envolvidos no trabalho. No history in a room filled with people with funny names 5 (2019) é uma instalação feita em parceria com o artista Alex Gvojic (E.U.A., 1984), amigo com quem tem vindo a trabalhar há vários anos. Boychild, artista ligada à performance e à dança que tem regularmente colaborado com Korakrit Arunanondchai, é também uma figura presente nesta obra. No history in a room filled with people with funny names 5 envolve o espectador num ambiente nocturno e misterioso em que uma tripla projeção vídeo é conjugada com raios laser emitidos a partir de uma escultura que sugere uma figura humana jacente. A terra que cobre o chão e a presença de materiais naturais (conchas, ramos) lembram um ambiente pré- ou pós- histórico. No history in a room filled with people with funny names 5 congrega uma grande diversidade de imagens e de sons, criando uma atmosfera excessiva, envolvente e perturbadora. Os vídeos juntam filmagens originais — como as registadas por um drone da estação de rádio de Ramasum Camp, símbolo da história recente da Tailândia enquanto aliada dos EUA durante a guerra do Vietname e agora transformada em destino turístico — e outras pré-existentes, como a transmissão televisiva do episódio mediático do resgate de 12 rapazes e do seu treinador de futebol que ficaram presos numa gruta na Tailândia em 2018. Esta obra foi inicialmente encomendada pelo Centre d’Art Contemporain Genève para a Biennale of Moving Image de 2018 e apresentada na Bienal de Veneza em 2019.

Bella Figura

12/02/2021

2 €

É a Estrela Polar que se vê?… Porque é que ela está abaixo da Ursa Maior?… “You Can’t Always Get What You Want”, dizem-nos os Rolling Stones e Nuno Cardoso, que escolheu esta canção como uma espécie de síntese da sua encenação de Bella Figura, de Yasmina Reza. Numa noite de primavera, cinco personagens cruzam-se num parque de estacionamento de um restaurante. A promessa de um jantar romântico e de uma festa de aniversário transforma-se numa “noite de nervos”, ateada por hipocrisias e mentiras. A arte da conversação da dramaturga francesa, onde o cómico e o feroz, o ridículo e o grotesco vivem paredes-meias, leva a um gradual desnudamento destas personagens sem norte, que Nuno Cardoso decide assumir em cena, vincando a solidão e fragilidade dos corpos. Bella Figura foi a sua última encenação com o Ao Cabo Teatro, antes de assumir a direção artística do São João. No final de 2019, numa produção da casa, o TNSJ levou esta peça a Almada, a Madrid, e a Mindelo (Festival Mindelact) e à Praia, em Cabo Verde. Levamo-la agora à nossa sala virtual, numa gravação vídeo disponível on demand, até ao dia 21 de fevereiro, realizada por Fábio Coelho.

Serralves in Talks: Louise Bourgeois

Até 01/03/2021

Convidamo-lo a assistir à série SERRALVES IN TALKS: LOUISE BOURGEOIS, onde Philippe Vergne, Diretor do Museu de Serralves, apresenta as obras da artista presentes na exposição DESLAÇAR UM TORMENTO, atualmente patente no Museu e Parque de Serralves. Esta grande exposição dedicada ao trabalho de Louise Bourgeois cobre um arco temporal de sete décadas, dando a ver obras realizadas pela artista entre finais dos anos 1940 e 2010. Visitada e revisitada em inúmeras exposições realizadas durante as últimas décadas em diversos espaços museológicos de todo o mundo, a vasta e singular obra de Louise Bourgeois lida com temas indelevelmente associados a vivências e acontecimentos traumáticos da sua infância – a família, a sexualidade, o corpo, a morte e o inconsciente – que a artista tratou e exorcizou através da sua prática artística.

Feira de Artesanato da Batalha

Até 31/05/2021

Esta feira começou de uma forma espontânea na Praça da Batalha onde eram comercializados os produtos manufaturados (bijuteria, carteiras, entre outros). Nos anos 90 a Câmara Municipal do Porto regulamentou esta atividade, através da criação da Feira de Artesanato da Batalha.


NO HISTORY IN A ROOM FILLED WITH PEOPLE WITH FUNNY NAMES 5

06/11/2020

Esta é a primeira exposição em Portugal de Korakrit Arunanondchai (Tailândia, 1986), artista que se move entre os campos do vídeo, da performance, da escultura e da instalação e que se divide entre duas culturas: a do oriente, onde nasceu e cresceu e a ocidental, em particular a dos EUA, onde a partir de 2009 estudou artes e onde tem vivido nos últimos anos (alternando com estadas na Tailândia). A obra de Arunanondchai explora e relaciona temas como religião e mitologia orientais, ambiente, ecologia, música, geopolítica e desenvolvimento tecnológico, contrapondo a espiritualidade asiática ao pragmatismo ocidental. Arunanondchai reflecte sobre a vida contemporânea e a situação da humanidade no tempo da tecnologia, especulando sobre as consequências do Antropoceno, era recentemente definida e que marca o efeito da actividade humana enquanto força ambiental dominante no planeta, capaz de alterar a sua composição geológica. Na sua prática, o artista recorre a acontecimentos e experiências de cariz autobiográfico. Em várias obras, amigos e familiares participam e são de alguma forma envolvidos no trabalho. No history in a room filled with people with funny names 5 (2019) é uma instalação feita em parceria com o artista Alex Gvojic (E.U.A., 1984), amigo com quem tem vindo a trabalhar há vários anos. Boychild, artista ligada à performance e à dança que tem regularmente colaborado com Korakrit Arunanondchai, é também uma figura presente nesta obra. No history in a room filled with people with funny names 5 envolve o espectador num ambiente nocturno e misterioso em que uma tripla projeção vídeo é conjugada com raios laser emitidos a partir de uma escultura que sugere uma figura humana jacente. A terra que cobre o chão e a presença de materiais naturais (conchas, ramos) lembram um ambiente pré- ou pós- histórico. No history in a room filled with people with funny names 5 congrega uma grande diversidade de imagens e de sons, criando uma atmosfera excessiva, envolvente e perturbadora. Os vídeos juntam filmagens originais — como as registadas por um drone da estação de rádio de Ramasum Camp, símbolo da história recente da Tailândia enquanto aliada dos EUA durante a guerra do Vietname e agora transformada em destino turístico — e outras pré-existentes, como a transmissão televisiva do episódio mediático do resgate de 12 rapazes e do seu treinador de futebol que ficaram presos numa gruta na Tailândia em 2018. Esta obra foi inicialmente encomendada pelo Centre d’Art Contemporain Genève para a Biennale of Moving Image de 2018 e apresentada na Bienal de Veneza em 2019.

Bella Figura

12/02/2021

2 €

É a Estrela Polar que se vê?… Porque é que ela está abaixo da Ursa Maior?… “You Can’t Always Get What You Want”, dizem-nos os Rolling Stones e Nuno Cardoso, que escolheu esta canção como uma espécie de síntese da sua encenação de Bella Figura, de Yasmina Reza. Numa noite de primavera, cinco personagens cruzam-se num parque de estacionamento de um restaurante. A promessa de um jantar romântico e de uma festa de aniversário transforma-se numa “noite de nervos”, ateada por hipocrisias e mentiras. A arte da conversação da dramaturga francesa, onde o cómico e o feroz, o ridículo e o grotesco vivem paredes-meias, leva a um gradual desnudamento destas personagens sem norte, que Nuno Cardoso decide assumir em cena, vincando a solidão e fragilidade dos corpos. Bella Figura foi a sua última encenação com o Ao Cabo Teatro, antes de assumir a direção artística do São João. No final de 2019, numa produção da casa, o TNSJ levou esta peça a Almada, a Madrid, e a Mindelo (Festival Mindelact) e à Praia, em Cabo Verde. Levamo-la agora à nossa sala virtual, numa gravação vídeo disponível on demand, até ao dia 21 de fevereiro, realizada por Fábio Coelho.

Serralves in Talks: Louise Bourgeois

Até 01/03/2021

Convidamo-lo a assistir à série SERRALVES IN TALKS: LOUISE BOURGEOIS, onde Philippe Vergne, Diretor do Museu de Serralves, apresenta as obras da artista presentes na exposição DESLAÇAR UM TORMENTO, atualmente patente no Museu e Parque de Serralves. Esta grande exposição dedicada ao trabalho de Louise Bourgeois cobre um arco temporal de sete décadas, dando a ver obras realizadas pela artista entre finais dos anos 1940 e 2010. Visitada e revisitada em inúmeras exposições realizadas durante as últimas décadas em diversos espaços museológicos de todo o mundo, a vasta e singular obra de Louise Bourgeois lida com temas indelevelmente associados a vivências e acontecimentos traumáticos da sua infância – a família, a sexualidade, o corpo, a morte e o inconsciente – que a artista tratou e exorcizou através da sua prática artística.

Feira de Artesanato da Batalha

Até 31/05/2021

Esta feira começou de uma forma espontânea na Praça da Batalha onde eram comercializados os produtos manufaturados (bijuteria, carteiras, entre outros). Nos anos 90 a Câmara Municipal do Porto regulamentou esta atividade, através da criação da Feira de Artesanato da Batalha.


NO HISTORY IN A ROOM FILLED WITH PEOPLE WITH FUNNY NAMES 5

06/11/2020

Esta é a primeira exposição em Portugal de Korakrit Arunanondchai (Tailândia, 1986), artista que se move entre os campos do vídeo, da performance, da escultura e da instalação e que se divide entre duas culturas: a do oriente, onde nasceu e cresceu e a ocidental, em particular a dos EUA, onde a partir de 2009 estudou artes e onde tem vivido nos últimos anos (alternando com estadas na Tailândia). A obra de Arunanondchai explora e relaciona temas como religião e mitologia orientais, ambiente, ecologia, música, geopolítica e desenvolvimento tecnológico, contrapondo a espiritualidade asiática ao pragmatismo ocidental. Arunanondchai reflecte sobre a vida contemporânea e a situação da humanidade no tempo da tecnologia, especulando sobre as consequências do Antropoceno, era recentemente definida e que marca o efeito da actividade humana enquanto força ambiental dominante no planeta, capaz de alterar a sua composição geológica. Na sua prática, o artista recorre a acontecimentos e experiências de cariz autobiográfico. Em várias obras, amigos e familiares participam e são de alguma forma envolvidos no trabalho. No history in a room filled with people with funny names 5 (2019) é uma instalação feita em parceria com o artista Alex Gvojic (E.U.A., 1984), amigo com quem tem vindo a trabalhar há vários anos. Boychild, artista ligada à performance e à dança que tem regularmente colaborado com Korakrit Arunanondchai, é também uma figura presente nesta obra. No history in a room filled with people with funny names 5 envolve o espectador num ambiente nocturno e misterioso em que uma tripla projeção vídeo é conjugada com raios laser emitidos a partir de uma escultura que sugere uma figura humana jacente. A terra que cobre o chão e a presença de materiais naturais (conchas, ramos) lembram um ambiente pré- ou pós- histórico. No history in a room filled with people with funny names 5 congrega uma grande diversidade de imagens e de sons, criando uma atmosfera excessiva, envolvente e perturbadora. Os vídeos juntam filmagens originais — como as registadas por um drone da estação de rádio de Ramasum Camp, símbolo da história recente da Tailândia enquanto aliada dos EUA durante a guerra do Vietname e agora transformada em destino turístico — e outras pré-existentes, como a transmissão televisiva do episódio mediático do resgate de 12 rapazes e do seu treinador de futebol que ficaram presos numa gruta na Tailândia em 2018. Esta obra foi inicialmente encomendada pelo Centre d’Art Contemporain Genève para a Biennale of Moving Image de 2018 e apresentada na Bienal de Veneza em 2019.

Bella Figura

12/02/2021

2 €

É a Estrela Polar que se vê?… Porque é que ela está abaixo da Ursa Maior?… “You Can’t Always Get What You Want”, dizem-nos os Rolling Stones e Nuno Cardoso, que escolheu esta canção como uma espécie de síntese da sua encenação de Bella Figura, de Yasmina Reza. Numa noite de primavera, cinco personagens cruzam-se num parque de estacionamento de um restaurante. A promessa de um jantar romântico e de uma festa de aniversário transforma-se numa “noite de nervos”, ateada por hipocrisias e mentiras. A arte da conversação da dramaturga francesa, onde o cómico e o feroz, o ridículo e o grotesco vivem paredes-meias, leva a um gradual desnudamento destas personagens sem norte, que Nuno Cardoso decide assumir em cena, vincando a solidão e fragilidade dos corpos. Bella Figura foi a sua última encenação com o Ao Cabo Teatro, antes de assumir a direção artística do São João. No final de 2019, numa produção da casa, o TNSJ levou esta peça a Almada, a Madrid, e a Mindelo (Festival Mindelact) e à Praia, em Cabo Verde. Levamo-la agora à nossa sala virtual, numa gravação vídeo disponível on demand, até ao dia 21 de fevereiro, realizada por Fábio Coelho.

Serralves in Talks: Louise Bourgeois

Até 01/03/2021

Convidamo-lo a assistir à série SERRALVES IN TALKS: LOUISE BOURGEOIS, onde Philippe Vergne, Diretor do Museu de Serralves, apresenta as obras da artista presentes na exposição DESLAÇAR UM TORMENTO, atualmente patente no Museu e Parque de Serralves. Esta grande exposição dedicada ao trabalho de Louise Bourgeois cobre um arco temporal de sete décadas, dando a ver obras realizadas pela artista entre finais dos anos 1940 e 2010. Visitada e revisitada em inúmeras exposições realizadas durante as últimas décadas em diversos espaços museológicos de todo o mundo, a vasta e singular obra de Louise Bourgeois lida com temas indelevelmente associados a vivências e acontecimentos traumáticos da sua infância – a família, a sexualidade, o corpo, a morte e o inconsciente – que a artista tratou e exorcizou através da sua prática artística.

Feira de Artesanato da Batalha

Até 31/05/2021

Esta feira começou de uma forma espontânea na Praça da Batalha onde eram comercializados os produtos manufaturados (bijuteria, carteiras, entre outros). Nos anos 90 a Câmara Municipal do Porto regulamentou esta atividade, através da criação da Feira de Artesanato da Batalha.


NO HISTORY IN A ROOM FILLED WITH PEOPLE WITH FUNNY NAMES 5

06/11/2020

Esta é a primeira exposição em Portugal de Korakrit Arunanondchai (Tailândia, 1986), artista que se move entre os campos do vídeo, da performance, da escultura e da instalação e que se divide entre duas culturas: a do oriente, onde nasceu e cresceu e a ocidental, em particular a dos EUA, onde a partir de 2009 estudou artes e onde tem vivido nos últimos anos (alternando com estadas na Tailândia). A obra de Arunanondchai explora e relaciona temas como religião e mitologia orientais, ambiente, ecologia, música, geopolítica e desenvolvimento tecnológico, contrapondo a espiritualidade asiática ao pragmatismo ocidental. Arunanondchai reflecte sobre a vida contemporânea e a situação da humanidade no tempo da tecnologia, especulando sobre as consequências do Antropoceno, era recentemente definida e que marca o efeito da actividade humana enquanto força ambiental dominante no planeta, capaz de alterar a sua composição geológica. Na sua prática, o artista recorre a acontecimentos e experiências de cariz autobiográfico. Em várias obras, amigos e familiares participam e são de alguma forma envolvidos no trabalho. No history in a room filled with people with funny names 5 (2019) é uma instalação feita em parceria com o artista Alex Gvojic (E.U.A., 1984), amigo com quem tem vindo a trabalhar há vários anos. Boychild, artista ligada à performance e à dança que tem regularmente colaborado com Korakrit Arunanondchai, é também uma figura presente nesta obra. No history in a room filled with people with funny names 5 envolve o espectador num ambiente nocturno e misterioso em que uma tripla projeção vídeo é conjugada com raios laser emitidos a partir de uma escultura que sugere uma figura humana jacente. A terra que cobre o chão e a presença de materiais naturais (conchas, ramos) lembram um ambiente pré- ou pós- histórico. No history in a room filled with people with funny names 5 congrega uma grande diversidade de imagens e de sons, criando uma atmosfera excessiva, envolvente e perturbadora. Os vídeos juntam filmagens originais — como as registadas por um drone da estação de rádio de Ramasum Camp, símbolo da história recente da Tailândia enquanto aliada dos EUA durante a guerra do Vietname e agora transformada em destino turístico — e outras pré-existentes, como a transmissão televisiva do episódio mediático do resgate de 12 rapazes e do seu treinador de futebol que ficaram presos numa gruta na Tailândia em 2018. Esta obra foi inicialmente encomendada pelo Centre d’Art Contemporain Genève para a Biennale of Moving Image de 2018 e apresentada na Bienal de Veneza em 2019.

Bella Figura

12/02/2021

2 €

É a Estrela Polar que se vê?… Porque é que ela está abaixo da Ursa Maior?… “You Can’t Always Get What You Want”, dizem-nos os Rolling Stones e Nuno Cardoso, que escolheu esta canção como uma espécie de síntese da sua encenação de Bella Figura, de Yasmina Reza. Numa noite de primavera, cinco personagens cruzam-se num parque de estacionamento de um restaurante. A promessa de um jantar romântico e de uma festa de aniversário transforma-se numa “noite de nervos”, ateada por hipocrisias e mentiras. A arte da conversação da dramaturga francesa, onde o cómico e o feroz, o ridículo e o grotesco vivem paredes-meias, leva a um gradual desnudamento destas personagens sem norte, que Nuno Cardoso decide assumir em cena, vincando a solidão e fragilidade dos corpos. Bella Figura foi a sua última encenação com o Ao Cabo Teatro, antes de assumir a direção artística do São João. No final de 2019, numa produção da casa, o TNSJ levou esta peça a Almada, a Madrid, e a Mindelo (Festival Mindelact) e à Praia, em Cabo Verde. Levamo-la agora à nossa sala virtual, numa gravação vídeo disponível on demand, até ao dia 21 de fevereiro, realizada por Fábio Coelho.

Serralves in Talks: Louise Bourgeois

Até 01/03/2021

Convidamo-lo a assistir à série SERRALVES IN TALKS: LOUISE BOURGEOIS, onde Philippe Vergne, Diretor do Museu de Serralves, apresenta as obras da artista presentes na exposição DESLAÇAR UM TORMENTO, atualmente patente no Museu e Parque de Serralves. Esta grande exposição dedicada ao trabalho de Louise Bourgeois cobre um arco temporal de sete décadas, dando a ver obras realizadas pela artista entre finais dos anos 1940 e 2010. Visitada e revisitada em inúmeras exposições realizadas durante as últimas décadas em diversos espaços museológicos de todo o mundo, a vasta e singular obra de Louise Bourgeois lida com temas indelevelmente associados a vivências e acontecimentos traumáticos da sua infância – a família, a sexualidade, o corpo, a morte e o inconsciente – que a artista tratou e exorcizou através da sua prática artística.

Feira de Artesanato da Batalha

Até 31/05/2021

Esta feira começou de uma forma espontânea na Praça da Batalha onde eram comercializados os produtos manufaturados (bijuteria, carteiras, entre outros). Nos anos 90 a Câmara Municipal do Porto regulamentou esta atividade, através da criação da Feira de Artesanato da Batalha.


NO HISTORY IN A ROOM FILLED WITH PEOPLE WITH FUNNY NAMES 5

06/11/2020

Esta é a primeira exposição em Portugal de Korakrit Arunanondchai (Tailândia, 1986), artista que se move entre os campos do vídeo, da performance, da escultura e da instalação e que se divide entre duas culturas: a do oriente, onde nasceu e cresceu e a ocidental, em particular a dos EUA, onde a partir de 2009 estudou artes e onde tem vivido nos últimos anos (alternando com estadas na Tailândia). A obra de Arunanondchai explora e relaciona temas como religião e mitologia orientais, ambiente, ecologia, música, geopolítica e desenvolvimento tecnológico, contrapondo a espiritualidade asiática ao pragmatismo ocidental. Arunanondchai reflecte sobre a vida contemporânea e a situação da humanidade no tempo da tecnologia, especulando sobre as consequências do Antropoceno, era recentemente definida e que marca o efeito da actividade humana enquanto força ambiental dominante no planeta, capaz de alterar a sua composição geológica. Na sua prática, o artista recorre a acontecimentos e experiências de cariz autobiográfico. Em várias obras, amigos e familiares participam e são de alguma forma envolvidos no trabalho. No history in a room filled with people with funny names 5 (2019) é uma instalação feita em parceria com o artista Alex Gvojic (E.U.A., 1984), amigo com quem tem vindo a trabalhar há vários anos. Boychild, artista ligada à performance e à dança que tem regularmente colaborado com Korakrit Arunanondchai, é também uma figura presente nesta obra. No history in a room filled with people with funny names 5 envolve o espectador num ambiente nocturno e misterioso em que uma tripla projeção vídeo é conjugada com raios laser emitidos a partir de uma escultura que sugere uma figura humana jacente. A terra que cobre o chão e a presença de materiais naturais (conchas, ramos) lembram um ambiente pré- ou pós- histórico. No history in a room filled with people with funny names 5 congrega uma grande diversidade de imagens e de sons, criando uma atmosfera excessiva, envolvente e perturbadora. Os vídeos juntam filmagens originais — como as registadas por um drone da estação de rádio de Ramasum Camp, símbolo da história recente da Tailândia enquanto aliada dos EUA durante a guerra do Vietname e agora transformada em destino turístico — e outras pré-existentes, como a transmissão televisiva do episódio mediático do resgate de 12 rapazes e do seu treinador de futebol que ficaram presos numa gruta na Tailândia em 2018. Esta obra foi inicialmente encomendada pelo Centre d’Art Contemporain Genève para a Biennale of Moving Image de 2018 e apresentada na Bienal de Veneza em 2019.

Bella Figura

12/02/2021

2 €

É a Estrela Polar que se vê?… Porque é que ela está abaixo da Ursa Maior?… “You Can’t Always Get What You Want”, dizem-nos os Rolling Stones e Nuno Cardoso, que escolheu esta canção como uma espécie de síntese da sua encenação de Bella Figura, de Yasmina Reza. Numa noite de primavera, cinco personagens cruzam-se num parque de estacionamento de um restaurante. A promessa de um jantar romântico e de uma festa de aniversário transforma-se numa “noite de nervos”, ateada por hipocrisias e mentiras. A arte da conversação da dramaturga francesa, onde o cómico e o feroz, o ridículo e o grotesco vivem paredes-meias, leva a um gradual desnudamento destas personagens sem norte, que Nuno Cardoso decide assumir em cena, vincando a solidão e fragilidade dos corpos. Bella Figura foi a sua última encenação com o Ao Cabo Teatro, antes de assumir a direção artística do São João. No final de 2019, numa produção da casa, o TNSJ levou esta peça a Almada, a Madrid, e a Mindelo (Festival Mindelact) e à Praia, em Cabo Verde. Levamo-la agora à nossa sala virtual, numa gravação vídeo disponível on demand, até ao dia 21 de fevereiro, realizada por Fábio Coelho.

Conferência Inferno

19/02/2021

3 €

Os Conferência Inferno são o resultado das experiências controversas feitas clandestinamente por Raul Mendiratta e Francisco Lima, entre paredes de caráter duvidoso em Aveiro, Porto e Vila Real. Apesar de duvidoso, destas experiências saiu um pop náutico e militarizado levou uma injeção de adrenalina descontrolada e um kraut extremamente tenso. Descrevem-se como pastilhas coloridas de surrealismo que foram dissolvidas na água da dark wave mais escura e o punk enfiado num colete de forças com fecho eletrónico. Trazem-nos os resultados num pó de retratos noturnos de uma cidade imberbe na arte de ser urgente. Uma dança com as contradições numa prova de vinhos em copos de plástico reutilizáveis. Um messianismo intermitente, sussurrado do topo de um prédio à venda. Tudo isto é retratado no novo álbum Ata Saturna.

Feira de Antiguidades e Velharias 

Até 15/05/2021

O evento realiza-se no terceiro sábado de cada mês, entre as 8 e as 18 horas.  A Feira de Antiguidades e Velharias decorre na Praça do Doutor Francisco Sá Carneiro, popularmente também conhecida como "Praça de Velasquez".  O acesso é livre.


NO HISTORY IN A ROOM FILLED WITH PEOPLE WITH FUNNY NAMES 5

06/11/2020

Esta é a primeira exposição em Portugal de Korakrit Arunanondchai (Tailândia, 1986), artista que se move entre os campos do vídeo, da performance, da escultura e da instalação e que se divide entre duas culturas: a do oriente, onde nasceu e cresceu e a ocidental, em particular a dos EUA, onde a partir de 2009 estudou artes e onde tem vivido nos últimos anos (alternando com estadas na Tailândia). A obra de Arunanondchai explora e relaciona temas como religião e mitologia orientais, ambiente, ecologia, música, geopolítica e desenvolvimento tecnológico, contrapondo a espiritualidade asiática ao pragmatismo ocidental. Arunanondchai reflecte sobre a vida contemporânea e a situação da humanidade no tempo da tecnologia, especulando sobre as consequências do Antropoceno, era recentemente definida e que marca o efeito da actividade humana enquanto força ambiental dominante no planeta, capaz de alterar a sua composição geológica. Na sua prática, o artista recorre a acontecimentos e experiências de cariz autobiográfico. Em várias obras, amigos e familiares participam e são de alguma forma envolvidos no trabalho. No history in a room filled with people with funny names 5 (2019) é uma instalação feita em parceria com o artista Alex Gvojic (E.U.A., 1984), amigo com quem tem vindo a trabalhar há vários anos. Boychild, artista ligada à performance e à dança que tem regularmente colaborado com Korakrit Arunanondchai, é também uma figura presente nesta obra. No history in a room filled with people with funny names 5 envolve o espectador num ambiente nocturno e misterioso em que uma tripla projeção vídeo é conjugada com raios laser emitidos a partir de uma escultura que sugere uma figura humana jacente. A terra que cobre o chão e a presença de materiais naturais (conchas, ramos) lembram um ambiente pré- ou pós- histórico. No history in a room filled with people with funny names 5 congrega uma grande diversidade de imagens e de sons, criando uma atmosfera excessiva, envolvente e perturbadora. Os vídeos juntam filmagens originais — como as registadas por um drone da estação de rádio de Ramasum Camp, símbolo da história recente da Tailândia enquanto aliada dos EUA durante a guerra do Vietname e agora transformada em destino turístico — e outras pré-existentes, como a transmissão televisiva do episódio mediático do resgate de 12 rapazes e do seu treinador de futebol que ficaram presos numa gruta na Tailândia em 2018. Esta obra foi inicialmente encomendada pelo Centre d’Art Contemporain Genève para a Biennale of Moving Image de 2018 e apresentada na Bienal de Veneza em 2019.

Bella Figura

12/02/2021

2 €

É a Estrela Polar que se vê?… Porque é que ela está abaixo da Ursa Maior?… “You Can’t Always Get What You Want”, dizem-nos os Rolling Stones e Nuno Cardoso, que escolheu esta canção como uma espécie de síntese da sua encenação de Bella Figura, de Yasmina Reza. Numa noite de primavera, cinco personagens cruzam-se num parque de estacionamento de um restaurante. A promessa de um jantar romântico e de uma festa de aniversário transforma-se numa “noite de nervos”, ateada por hipocrisias e mentiras. A arte da conversação da dramaturga francesa, onde o cómico e o feroz, o ridículo e o grotesco vivem paredes-meias, leva a um gradual desnudamento destas personagens sem norte, que Nuno Cardoso decide assumir em cena, vincando a solidão e fragilidade dos corpos. Bella Figura foi a sua última encenação com o Ao Cabo Teatro, antes de assumir a direção artística do São João. No final de 2019, numa produção da casa, o TNSJ levou esta peça a Almada, a Madrid, e a Mindelo (Festival Mindelact) e à Praia, em Cabo Verde. Levamo-la agora à nossa sala virtual, numa gravação vídeo disponível on demand, até ao dia 21 de fevereiro, realizada por Fábio Coelho.

Conferência Inferno

19/02/2021

3 €

Os Conferência Inferno são o resultado das experiências controversas feitas clandestinamente por Raul Mendiratta e Francisco Lima, entre paredes de caráter duvidoso em Aveiro, Porto e Vila Real. Apesar de duvidoso, destas experiências saiu um pop náutico e militarizado levou uma injeção de adrenalina descontrolada e um kraut extremamente tenso. Descrevem-se como pastilhas coloridas de surrealismo que foram dissolvidas na água da dark wave mais escura e o punk enfiado num colete de forças com fecho eletrónico. Trazem-nos os resultados num pó de retratos noturnos de uma cidade imberbe na arte de ser urgente. Uma dança com as contradições numa prova de vinhos em copos de plástico reutilizáveis. Um messianismo intermitente, sussurrado do topo de um prédio à venda. Tudo isto é retratado no novo álbum Ata Saturna.

Feira dos Passarinhos

Até 31/05/2021

Feira tradicional, de cariz popular, com alguns anos de atividade, onde pode adquirir aves, enquanto animais de companhia. É permitida, a comercialização de gaiolas, comedouros, bebedouros, poleiros, alimentação e demais artigos necessários para o alojamento, manutenção e criação. Mesmo que a intenção não seja comprar encante-se com os cantares das aves, com as suas cores e o movimento da feira. Ao passar pela feira ninguém escapa ao deslumbramento de olhar o Rio Douro e as pontes.