Álvaro Siza: in/disciplina

19/09/2019

Nome: Álvaro Siza Disciplina: tão pouca quanto possível Esta nota confessional - certo dia escrita por Álvaro Siza na guarda interior de um dos seus cadernos de desenho, de formato escolar - serviu de ponto de partida para esta exposição comemorativa do 20.º aniversário do Museu de Arte Contemporânea de Serralves. Álvaro Siza: in/disciplina revela-nos a salutar inquietude e a insubmissão do seu método criativo que, forjado no cruzamento entre saberes, culturas, geografias, obras e autores, sustentou, ao longo de mais de seis décadas, um constante questionamento da arquitetura a partir, simultaneamente, do que está dentro e fora da disciplina. Com base em trinta projetos realizados entre 1954 e 2019 (construídos ou não), a exposição percorre a trajetória de Álvaro Siza, desde o período da sua formação até à sua plena afirmação autoral, através das suas leituras, dos seus cadernos de esquissos e registos de viagem, dos retratos que dela fizeram fotógrafos e amigos, das publicações seminais que as publicaram e do testemunho pessoal de muitas personalidades que com ela se cruzaram ao longo do tempo.

Árvore de natal da cidade

Até 11/01/2020

Erguida como habitualmente na Praça do General Humberto Delgado, a Árvore de Natal da cidade terá 31.600 lâmpadas espalhadas pelos seus 30 metros de altura. Serão ligadas diariamente a partir das 17:30 horas, até ao dia 11 de janeiro de 2020.

Porto Sentido de Dina de Souza

Até 04/01/2020

"Dina de Souza é uma Pintora cuja sensibilidade apurada, transparece nos seus trabalhos. As obras que expõe são fruto de um longo trabalho de estudo, pesquisa e maturação, que daí resulta num trabalho sério e equilibrado. Todos os seus trabalhos estão estruturados num delicado e muito bom desenho, com uma aguarelada de tons suaves, harmoniosos e de contrastes, criando atmosferas cheias de poesia e cor. É hoje uma Mestre conceituada pelos seus pares tendo sido reconhecida nessa qualidade por Pinto Soares (reputado e saudoso crítico de artes), e pelos Mestres (saudosos) José Rodrigues e Mário Silva e ainda o atual Mestre Ferreira Pinto." Kim Molinero (Curador d'artes).

Porto Legends - The Underground Experience

Até 31/03/2020

€15.0

"Porto Legends: The Underground Experience" é um evento audiovisual que vai dar a conhecer dez lendas relacionadas com a história da cidade do Porto. O espetáculo será apresentado de terça-feira a domingo, entre as 10 e as 19 horas, nas Furnas da Alfândega do Porto. A mais recente criação do ateliê português OCUBO, especialista na realização de projetos de vídeo mapping, estreia nas Furnas da Alfândega do Porto. O espetáculo vai dar a conhecer, através de uma experiência imersiva, dez lendas relacionadas com a história da cidade do Porto, inspiradas no livro do historiador Joel Cleto, "As Lendas do Porto". O projeto Porto Legends - The Underground Experience contou com 70 atores, 120 figurinos e 30 artistas de vídeo, recorrendo a 50 projetores de vídeo de alta definição, estrategicamente instalados nas paredes, no chão, nos tetos, nas colunas e nos arcos das Furnas da Alfândega do Porto. As dez lendas que constituem o espetáculo são narradas por Pedro Abrunhosa, na versão portuguesa, e pelo galardoado ator britânico Jeremy Irons, na versão inglesa. Ao longo de 45 minutos, serão contadas lendas como as de Pedro Cem, Zé do Telhado, Barrão Forrester, as famosas tripas à moda do Porto, o mistério do Tesouro da Serra do Pilar; o violento Cerco do Porto, o Terramoto de 1755 ou a do fantasma da Estação de São Bento. O público é convidado a circular livremente durante o espetáculo, numa experiência de 360º inédita a nível mundial.

Um Século e Tanto, 130 Anos National Geographic

Até 19/07/2020

€9.0

A National Geographic explora o planeta há mais de 130 anos e distingue-se por desafiar, proteger e inspirar a humanidade a ir Mais Além. Tudo começou em 1888 com um convite, que reuniu os 33 fundadores da National Geographic Society, em Washington D.C. Entre eles geólogos e cartógrafos, banqueiros e advogados, cientistas e líderes militares começaram a delinear o propósito da organização. Todos acreditavam que a ciência aliada a uma perceção mais clara do nosso mundo, teriam o poder de mudá-lo, melhorando-o. Sem stafff, nem sede, a National Geographic Society começou a traçar novas rotas, a descobrir novas culturas e a ir Mais Além. Celebramos Alexander Graham Bell, Amelia Earheart, Alexander Graham Bell, Robert A. Bartlett, Richard E. Byrd, Barry Bishop, Jane Goodall, Sylvia Earle, Dian Fossey, Jacques Cousteau, Robert E. Peary, entre tantos outros grandes nomes da história da National Geographic. Para partilhar as expedições, descobertas e alcances foi criada a revista National Geographic, ainda em 1888. A sua primeira edição foi enviada para uma lista exclusiva de 200 membros. Em 2015 fundou-se a National Geographic Partners e a sua plataforma alcança mais de 450 milhões de pessoas, 43 línguas, em 172 países, todos os meses. A vontade dos nossos 33 fundadores foi cumprida. Alcançámos os quatro cantos da terra e fomos Mais Além. 131 Anos depois, continuamos a apontar as nossas lentes para os sítios mais inóspitos e para as realidades mais duras do nosso planeta, continuamos a perseguir grandes questões e a desafiar pensamentos outrora aceites, continuamos a proteger e inspirar a humanidade a ir Mais Além. Mas nada disto seria possível sem o seu contributo. Graças a si já atribuímos mais de 14 mil bolsas de investigação, apoiando projetos ambiciosos nas áreas da ciência, exploração e conservação. Quando lê, assiste, compra ou viaja connosco, está a apoiar o trabalho dos nossos cientistas, exploradores e educadores em todo o mundo. Por sua causa, a nossa existe. Obrigado por nos ajudar a contribuir para um planeta mais sustentável.

Pista de gelo natural

Até 12/01/2020

€3.5

Neste dia 30 de novembro, inaugura a pista de gelo natural que vai funcionar até o dia 12 de janeiro. Na Praça de D. João I, a pista abre logo às 10 horas. No feriado de 1 de dezembro, a pista terá acesso gratuito durante o período da manhã, até às 13 horas.

9kg de Oxigénio

Até 16/02/2020

A Galeria Municipal do Porto inaugura a exposição "9kg de Oxigénio". A exposição resulta do desafio lançado pela Galeria Municipal do Porto ao projeto "Uma Certa Falta de Coerência" para desenvolver um exercício que refletisse sobre a relação entre a prática curatorial independente, autogerida por artistas, e um contexto expositivo institucional. Nesse sentido, "Uma Certa Falta de Coerência", que desenvolve o seu trabalho de forma independente desde 2008, vai apresentar esta exposição em que "testará políticas de produção e formas de entendimento próprias, tomando como ponto de partida o exercício de sobrevivência em condições adversas e sujeitas a opressão institucional". "Uma Certa Falta de Coerência" irá transferir a atmosfera do espaço diminuto que ocupa na Rua dos Caldeireiros, onde se questiona frequentemente a respirabilidade do ar, e apresentará obras de artistas que, ao longo dos últimos anos, tem colaborado com o projeto: Babi Badalov, Daniel Barroca, António Bolota, Camilo Castelo Branco, Merlin Carpenter, Rolando Castellón, June Crespo, Luisa Cunha, Stephan Dillemuth, Loretta Fahrenholz, Pedro G. Romero, Dan Graham, Alisa Heil, Mike Kelley, Ruchama Noorda, Silvestre Pestana, Josephine Pryde e Xoan Torres.

Depois do Estouro

Até 16/02/2020

A Galeria Municipal do Porto inaugura a exposição "Depois do Estouro", que tem curadoria de Tomás Abreu e resulta do projeto concursal "Expo'98 no Porto". "Depois do Estouro" foi selecionada por um júri independente da equipa artística da Galeria Municipal do Porto, composto por Daniela Marinho, investigadora de pós-doutoramento no Departamento de Artes e Estudos Culturais da Universidade de Copenhaga, Miguel Ferrão, que dirige com Eduardo Guerra o projeto artístico Musa paradisiaca, e Nuno Faria, diretor artístico do Museu da Cidade. Esta exposição parte dos efeitos que os desenvolvimentos socioeconómicos e tecnológicos do final do século passado tiveram na cultura contemporânea e "propõe uma reflexão sobre paradoxos das suas consequências, paralelamente desafiando noções de manipulação do tempo". Reúne um conjunto de obras, produzidas no final da última década por 13 jovens artistas que cresceram em Portugal na década de 90, as quais "incidem sobre questões da humanidade, do espaço físico e do tempo": Alice dos Reis, Francisco M. Gomes, Henrique Pavão, Hugo de Almeida Pinho, Igor Jesus, Jorge Jácome, Lúcia Prancha, Mariana Rocha, Mariana Vilanova, Pedro Huet, Rodrigo Gomes, Sara Graça e Tomás Abreu.

Está Aqui

Até 22/03/2020

A exposição assinala os 30 anos da Fundação e os 20 anos do Museu de Serralves, apresentando a programação do Serviço de Artes Performativas entre 1999 e a atualidade. Nasceu e desenvolveu-se através de compromissos entre objetivos aparentemente inconciliáveis: por um lado, a necessidade de apresentar dados concretos (nomes, datas, imagens) que mostrassem onde, como e quando se apresentaram determinados artistas, e refletissem o caráter pioneiro da importância conferida às artes performativas por parte de Serralves; por outro lado, traduz aquilo que parece distinguir imediatamente estas artes: a implicação do espectador, o espírito eminentemente colaborativo, o "aqui e agora”, por oposição ao "isto foi”. Os compromissos passaram por expor documentação e permitir aos seus visitantes saber quem se apresentou em Serralves (e quando, como e onde), ao mesmo tempo que se apresentam elementos que convocavam o tal "aqui e agora”. A documentação foi incorporada através de um processo de colaboração: uma vez selecionadas pelos programadores Cristina Grande e Pedro Rocha as imagens e palavras que melhor ilustrassem os últimos vinte anos da sua programação (entre fotografias de cena e materiais gráficos que anunciavam e acompanhavam as atividades), foi pedido a um designer gráfico, Luís Teixeira, que concebesse um livro que nunca seria publicado, cujas páginas seriam exclusivamente apresentadas nas paredes da Biblioteca de Serralves, juntamente com filmagens de espetáculos e adereços a que os referidos programadores reconheceram especial importância. Ao mesmo tempo, decidiu-se ocupar uma área considerável do mezanino da biblioteca com um objeto que convocasse imediatamente a ideia de teatro e que conseguisse "ativar” o espectador: um pequeno palco à espera de ser ocupado. O visitante pode e deve sentar-se para ler (textos sobre a programação, livros incontornáveis para se entenderem atualmente as artes performativas) e, muito importante, para ouvir testemunhos e memórias de espetáculos escritos por cúmplices especialmente atentos à programação de artes performativas de Serralves — entre artistas, músicos, escritores e atuais ou antigos diretores e programadores de teatros e festivais de música e de performance — e depois lidos por dois atores. Estes testemunhos vieram conciliar o inconciliável: as memórias de determinados espetáculos, ou de concertos e performances — obrigatoriamente subjetivas, incompletas, fragmentárias — constituem o necessário contraponto aos dados, datas, cronologias, documentação. É em grande medida graças a eles que esta exposição não é apenas sobre "o que foi”; também é agora, e também é aqui.

Praça da Fantasia

Até 12/01/2020

€3.5

Um conjunto de atrações e divertimentos vai animar o local até 12 de janeiro. A Praça de Mouzinho de Albuquerque, conhecida popularmente por "Rotunda da Boavista", volta este Natal a transformar-se em Praça da Fantasia! Todos os miúdos, e também os graúdos, estão convidados a divertir-se nas várias atrações que estarão instaladas no local entre 30 de novembro e 12 de janeiro. Além de uma pista coberta e uma rampa de gelo, haverá carrosséis, pistas de carros, um comboio mágico, simuladores, jogos tradicionais, uma mini roda e até uma Casa do Pai Natal. No feriado de 1 de dezembro, a pista terá acesso gratuito durante o período da manhã, até às 13 horas.

Terra de Sonhos

Até 15/01/2020

O Porto vai acolher a exposição "Terra de Sonhos", da fotógrafa espanhola Cristina García Rodero, que mostra a singularidade e a assimetria do mundo rural da Índia. A mostra vai estar patente na Praça Gomes Teixeira até 15 de janeiro de 2020, podendo ser visitada livremente. Composta por 40 registos fotográficos de grande dimensão, a exposição faz parte do programa "Arte na Rua", que pretende aproximar a arte às pessoas, fora do contexto habitual dos museus e das salas de exposições. Em "Terra de Sonhos", Cristina García Rodero mostra, sem complexos, a vida quotidiana dos habitantes de Anantapur, no Estado de Andhra Pradesh, uma das zonas mais pobres da Índia, onde vivem as comunidades mais desfavorecidas e vulneráveis do país. Um cenário que parece suspenso no tempo e onde o passado se confunde com o presente, o natural com o sobrenatural, até mesmo com o fantástico. Mais do que simplesmente expor os seus contrastes e singularidades, a autora mergulhou neste mundo, de forma "teimosa e desmedida", captando o lado mais sensível e mágico das mulheres de Anantapur, mas também a sua força e capacidade de superação.

Atelier de José Rodrigues

Até 10/01/2020

Este espaço disponibiliza ao visitante algumas obras, em barro, gesso e bronze, e os materiais que José Rodrigues tinha no atelier. A visita guiada em várias línguas, permite conhecer a vida e obra do artista na envolvência do atelier recriado. Visita guiada por Ágata Rodrigues. Entrada gratuita. Na entrada da Lello referir que vem para a visita guiada ao atelier de José Rodrigues, para não ficar à espera.

Porto. Cidade com Festas Felizes

Até 06/01/2020

A partir do dia 30 de novembro, a magia do Natal toma conta da cidade do Porto. As ruas, as praças e os jardins iluminam-se e toda a cidade ganha novas cores e um ambiente ainda mais quente e acolhedor. A cada fim de semana, renovamos o convite para que saia de casa e aproveite em família a época mais bonita do ano. Feiras e mercados de Natal, pistas de gelo natural, circo, espetáculos de dança e teatro, concertos de música, coros itinerantes, oficinas, contos de Natal, atividades para crianças e muita animação de rua vão marcar o ritmo da cidade ao longo das próximas cinco semanas, através de uma programação tão brilhante quanto esta quadra.

Concerto de Ano Novo – Banda Sinfónica Portuguesa

01/01/2020

No dia em que celebra 15 anos de existência, a Banda Sinfónica Portuguesa sobe ao palco maior da cidade para o tradicional Concerto de Ano Novo.

5 seasons

Até 03/01/2020

5 seasons é um projeto realizado pelo fotógrafo Júlio Aires. Este projeto, composto por quatro fotografias analógicas, 35mm, a preto e branco e cor, estará exposto simultaneamente em quatro estabelecimentos comerciais da cidade invicta: Câmaras & Companhia, Cano Amarelo, Embaixada do Porto e Miprint. Estes espaços revestem-se de uma grande importância para o autor, não apenas porque é neles que adquire produtos de fotografia analógica, mas sobretudo pela qualidade de serviços e simpatia que os caracteriza. 5 seasons é, então, um tributo do autor às pessoas que fazem destes estabelecimentos espaços de eleição.

Circo Coliseu Porto

Até 01/01/2020

€9.0

O Coliseu Porto Ageas apresenta o seu Circo de Natal, uma verdadeira festa da felicidade e do fantástico, e sem animais em pista desde 2015! A caravana do Circo chega no dia 13 de dezembro com alguns dos melhores artistas do mundo, como o virtuoso do equilibrismo Laurence Tremblay-Vu, vencedor este ano da Medalha de Prata no importante Festival Mondial du Cirque de Demain. Da Finlândia diretamente para o Coliseu chegam as Wise Fools, com um número raro de trapézio triplo que encanta pelos movimentos nas alturas e que nos fará suster por momentos a respiração. De Portugal veremos em ação Mala da Suévia Tisch e os atléticos Dynamic Four, uma parceria entre a Salto e o premiado Acro Clube da Maia. Não faltará malabarismo, pedestal, o palhaço herói de todas as crianças e muito, muito mais. Os Daring Guys vão mostrar como se fazem saltos mortais em equilíbrio numa barra russa e o Coliseu vai mostrar que a arte do circo está mais viva do que nunca, naquela que é a melhor e mais exigente companhia de Circo do país, uma tradição ininterrupta desde 1941.

Mercadinho da Ribeira

Até 31/12/2020

Destina-se à venda de atoalhados bem como outros produtos de promoção turística.

Inventória de Ana Jotta

Até 08/05/2020

€7.0

Entramos na casa. Está vazia. O dono acabou de se mudar ou então está prestes a mudar-se. Nenhuma cama, nenhuma mobília, nenhuns livros. Vêem-se uns quantos objetos, três candeeiros, algumas decorações, uma pequena mesa de jogos e um sem-número de estranhos rabiscos nas paredes. “Viver é deixar traços”, diz Walter Benjamin quando discute o nascimento do interior doméstico. “No interior, eles são acentuados. É criada uma abundância de coberturas e protetores, revestimentos e caixas, nos quais os traços dos objetos de uso quotidiano ficam gravados. Os traços do ocupante também deixam a sua marca no interior. A história de detetives que segue esses traços ganha forma. (…) Os criminosos dos primeiros romances policiais não são nem cavalheiros nem apaches, mas membros da burguesia.” A obra de Jotta está inseparavelmente ligada ao interior – à sua casa, que como uma grande obra de arte se assemelha a uma construção algures entre o Merzbau de Schwitters, o Wunderkammer, ou a casa-atelier de Dieter Roth, repleta de coisas e obras de arte, onde é impossível distinguir o estatuto de cada uma delas, e onde também é quase impossível movermo-nos, dominada que ela está por um total horror vacui. Na exposição INVENTÓRIA, Jotta constrói um cenário invertido: o amor vacui e o vazio tornam-se o tema principal desta instalação radical. Como a artista sugere na “folha de sala” que escreveu para acompanhar a exposição, entramos num “programa de filmes à la Salle Noir” em quatro atos, um enigmático cenário de filmagens com uma última contredanse dançada num baile desconhecido, talvez na Villa Santo Sospir, talvez na Casa São Roque. Local: Casa São Roque - Centro de Arte, Rua São Roque da Lameira nº2092

Concerto de Ano Novo

03/01/2020

€22.0

A entrada no novo ano dá o mote para um concerto onde não podia faltar a célebre dinastia Strauss, representada pela sua segunda geração – a dos irmãos Johann, Josef e Eduard. Tradição indispensável nos salões vienenses, as orquestras de dança inspiraram também compositores de outras paragens, como o dinamarquês Hans Christian Lumbye – apelidado de “Strauss do Norte”. O maestro Takuo Yuasa viveu e trabalhou em Viena e conviveu de perto com uma tradição que atrai milhares de visitantes de todo o mundo e deu origem aos célebres concertos de Ano Novo da Filarmónica daquela cidade. Também na Casa da Música se entra em 2020 com o pé direito, o esquerdo e todo o corpo dominado pelos ritmos de valsas, polcas e galopes.

Feira de Vandoma

Até 27/12/2020

Uma das feiras mais emblemáticas da cidade, destina-se exclusivamente à venda de objetos usados, designadamente roupas, louças, mobiliário e artigos decorativos, discos, livros, aparelhos elétricos e/ou eletrónicos, utensílios domésticos e de trabalho (ferramentas). Localização: Avenida 25 de abril

Dias com Energia

Até 30/05/2020

Aulas gratuitas de pilates, ioga e tai chi continuam aos sábados, agora no Pavilhão Fontes Pereira de Melo. As concorridas aulas do programa municipal Dias com Energia mudam-se para o Pavilhão Municipal Fontes Pereira de Melo, localizado na Rua do Professor Damião Peres. Será assim até ao mês de maio de 2020. O horário é também o habitual: - 09h00: Pilates - 10h00: Ioga - 11h00: Tai chi

Sábados a Contar

Até 26/01/2020

As famílias com crianças a partir dos 3 anos de idade têm, durante o mês de janeiro, 10 oportunidades de as introduzir ao universo dos livros e da leitura, no âmbito do regresso do programa "Sábados a Contar" às bibliotecas municipais da cidade. De acesso livre mediante inscrição prévia obrigatória, este ciclo de Hora do Conto prevê em cada sessão também uma oficina criativa. Sábado, dia 4, existem três propostas: "O que o pequeno coelho ouviu", de Sheryl Webster, às 11 horas na Biblioteca Municipal Almeida Garrett (nos Jardins do Palácio de Cristal), e "O Gato Sol, uma lenda do Vietname", às 11 e às 15,30 horas na Biblioteca Pública Municipal do Porto (no Jardim de São Lázaro). "A princesa baixinha", de Beatrice Masini, "A ovelhinha preta", de Elizabeth Shaw, "Um lobo culto", de Becky Bloom, e "A grande caça ao monstro", de Norbert Landa, são as restantes sugestões de janeiro para as crianças.

Concerto de Ano Novo

04/01/2020

€25.0

A chegada do Novo Ano celebra-se no Coliseu Porto Ageas a 4 de janeiro com um concerto que já se tornou numa tradição da cidade. Apuram-se os trajes e as saudações, as tradições e as superstições, os balanços, os sonhos, as iguarias, as pirotecnias e, claro está, a música. O Concerto de Ano Novo da Orquestra Metropolitana de Lisboa sopra ao público a brisa espirituosa das polcas e valsas da família Strauss que todos conhecemos, quer de bailados, quer do cinema. O espetáculo terá uma fantástica abertura orquestral de Stanisław Moniuszko, e pontuada pelo encanto melódico e requintado humor de Gioachino Rossini. Com descontração e informalidade, e cumprindo a tradição, vamos receber o talento do maestro Sebastian Perłowski e entrar em 2020 da melhor maneira possível.

Feira dos Passarinhos

Até 28/12/2020

Venda de aves e outros animais, enquanto animais de companhia, assim como gaiolas, comedouros, bebedouros, poleiros, alimentação e demais artigos necessários para o alojamento, manutenção e criação das espécies de animais.

Feira de Numismática e Filatelia

Até 28/12/2020

Local de encontro de vários colecionadores, esta feira tem como objeto a venda e troca de moedas, postais, selos e outros objetos colecionáveis afins. Realiza-se debaixo das arcadas dos prédios que rodeiam a praça.

Feira da Pasteleira

Até 31/12/2020

Venda de diversos produtos, nomeadamente produtos alimentares, roupa, calçado e têxteis lar. Legalizada e relocalizada em 2019. Localização: Rua Bartolomeu Velho

Domingos em Forma

Até 19/01/2020

O programa municipal Domingos em Forma, com participação livre, realiza-se duas vezes por mês. Desde o início do ano, a PortoLazer dinamiza “Domingos em Forma”. As sessões decorrem em Campanhã sempre no primeiro e no terceiro domingos de cada mês, entre as 10 e as 11 horas. As manhãs têm início com um aquecimento e alongamentos no Pavilhão Municipal do Lagarteiro, seguidos de caminhadas e exercício físico ao ar livre, pelo Parque Oriental da Cidade do Porto. Todas as atividades serão planeadas e orientadas por profissionais de educação física. A participação é sempre gratuita e não é necessário efetuar inscrição. Aos interessados basta comparecer no pavilhão com roupa e calçado confortável. Nos dias das sessões, a PortoLazer disponibiliza transporte gratuito de autocarro entre a Estação Ferroviária de Campanhã e o local, nos seguintes horários: - Estação-Pavilhão: 09h20 e 09h50; - Pavilhão-Estação: 11h00.

Cantar as Janeiras

05/01/2020

Cumprindo a tradição, nove grupos folclóricos da região vão desfilar pelas ruas do Porto para Cantar as Janeiras. O cortejo arranca de vários pontos da cidade, rumo à Avenida dos Aliados, onde os grupos se juntam e realizam uma atuação final.

Alexandra Dovgan

05/01/2020

€10.0

O primeiro recital do Ciclo de Piano traz a Portugal uma menina-prodígio de apenas 12 anos que tem sido aclamada em importantes festivais e salas de concerto. As suas interpretações revelam surpreendente maturidade, técnica estonteante e sensibilidade profunda, conquistando os júris de concursos internacionais como o I Grand Piano Competition de Moscovo, para jovens pianistas, que venceu ainda antes de completar 11 anos. Natural da Rússia, Alexandra Dovgan é a protegida do célebre Grigory Sokolov e já tocou em concerto sob a direcção de maestros como Valery Gergiev e Vladimir Spivakov.

Masters of Porto - Concertos de Guitarra Clássica

Até 29/01/2020

Celebre as mais belas obras de música para guitarra clássica compostas por compositores e guitarristas de renome mundial e interpretadas por mestres muito talentosos do Porto. Durante o concerto, também apresentaremos a composição de Johann Sebastian Bach. Local: Falesia Recital Hall

Adagio Hammerklavier | Short cut | In the future

Até 11/01/2020

€9.0

Duas vezes por ano, o Teatro Municipal do Porto acolhe a Companhia Nacional de Bailado, não fosse o Grande Auditório do Rivoli a sala onde foi apresentado o primeiro espetáculo, em 1977, antes ainda da sua estreia oficial no Teatro Nacional de São Carlos. A Companhia Nacional de Bailado vem ao Porto ora com criações contemporâneas - como foi o caso das reposições e da composição original pela coreógrafa Tânia Carvalho, na temporada de 2018 -, ora com um reportório clássico e moderno, numa lógica patrimonial e de constante atualização, missões basilares desta companhia. O programa agora proposto é um triple bill, três peças curtas de Hans van Manen. O coreógrafo holandês é conhecido pela forte estrutura e simplicidade refinada das suas composições. Da melancolia a partir do romantismo de Beethoven, em “Adagio Hammerklavier”; à elasticidade para a partitura vanguardista de Jacob Ter Veldhuis em “Short Cut”; até ao cromatismo satírico de “In the Future”; os virtuosos bailarinos da CNB trazem até nós nos seus corpos este relevante coreógrafo da história da dança. "Adagio Hammerklavier" é reconhecido mundialmente como um dos clássicos do século XX. Esta é uma peça para três pares de bailarinos, coreografada sobre a sonata para piano de Beethoven, no. 29, opus 106. É considerado como o bailado mais lírico e académico de Hans van Manen e traduz uma visão lúcida e analítica das oscilações emocionais que ocorrem na vida comum. Ao longo da peça os sentimentos alternam-se entre paixão e desejo não correspondido, atração e repulsa. Criada em 1999, “Short Cut” é uma peça para quatro bailarinos. Hans van Manen inspira-se na partitura de Jacob Ter Veldhuis e tira partido das tonalidades, do ritmo e da poesia desta obra. A coreografia acompanha o ritmo da música, base desta dança que, centrando-se na forma de pas de deux, revela a sua extraordinária elasticidade. Coreografado originalmente para o Ballet Scapino de Rotterdão em 1986, “In The Future” é uma peça enérgica, divertida e surpreendente, criada para doze bailarinos com a música de David Byrne e figurinos de Keso Dekker.

Um Plano do Labirinto

Até 19/01/2020

€10.0

Sabemos da irreverência das encenações de João Garcia Miguel. Refira-se, por exemplo, o desassombro das suas operações sobre Shakespeare em Burgher King Lear (2007) ou Calderón de la Barca em La Vida Es Sonho (2015). Regressa com Um Plano do Labirinto, adaptando um texto da lavra de Francisco Luís Parreira (na que é já a quarta criação conjunta de “uma estreita e durável relação”), para quem a reverberação das situações históricas ou dos textos antigos que elege é um revelador do que somos hoje – é sua a espantosa tradução do poema babilónico Épico de Gilgameš, um dos textos mais antigos do mundo. Depois de Lilith, associado à crise na Grécia/Europa, de Três Parábolas de Possessão, impregnado de referências bíblicas e do conflito israelo-árabe, e de uma versão livre de Medeia, Um Plano do Labirinto é um polifónico conto mitológico sobre a diáspora portuguesa no século XX, no Oriente e em África, interrogando-se/nos sobre a verdade e a mentira de muitas histórias recolhidas da “nossa” guerra no “Ultramar”. Uma delas, exemplar na sua “indiferença à verdade”, conta um imaterial confronto entre soldados de uma patrulha e uma manada de antílopes na savana inexplorada. “Por que razão mentem estas histórias tão ostensivamente?”

França Sagrada

10/01/2020

€22.0

A abertura oficial do País Tema apresenta obras sacras de dois compositores franceses incontornáveis. Escrita ainda na juventude de Messiaen, em 1932, a partitura de Hymne au Saint-Sacrement ficou perdida durante a 2ª Guerra Mundial e o compositor assumiu a tarefa hercúlea de a reconstruir de memória. A música monumental do Te Deum de Berlioz exige uma orquestra e um coro de proporções gigantescas, incluindo um órgão que compete praticamente de igual para igual com a exuberante orquestração. A voz solista está a cargo de Cyrille Dubois, tenor francês que ganhou grande experiência no Atelier Lyrique da Ópera de Paris e é regularmente convidado para se apresentar naquele teatro. Em 2015 foi nomeado Artista Lírico Revelação nos prémios Victoires de la musique.

Vive la France!

Até 18/01/2020

O regresso a um dos países mais fascinantes da história da música leva-nos em viagem através de várias épocas, da Idade Média à atualidade. Além dos agrupamentos residentes da Casa da Música, sobem ao palco convidados especiais de grande relevo internacional, como o pianista Pierre-Laurent Aimard, os maestros Sofi Jeannin e Hervé Niquet e o tenor Cyrille Dubois, além do Coro Nacional de Espanha. Nos programas constam obras marcantes como o Te Deum de Berlioz e Les Oiseaux Exotiques de Messiaen, entre muitas outras de figuras como Debussy, Ravel, Charpentier e Boulez. Não perca o início da residência do compositor Philippe Manoury com as primeiras três de várias obras que serão apresentadas ao longo do ano em estreia nacional. O Serviço Educativo apresenta um novo espetáculo inspirado no escritor francês Júlio Verne que promete divertir toda a família. Esteja também atento à programação especial que será oportunamente anunciada para este programa de abertura do Ano França, e que se estende por vários géneros musicais.

As Obras Completas de William Shakespeare em 97 Minutos

Até 12/01/2020

€11.0

Há fenómenos cujo sucesso é inegável. As Obras Completas de William Shakespeare em 97 minutos são disso exemplo e têm levado ao teatro muitas famílias, que admitem dar mais de “97 gargalhadas”, ao longo do espetáculo. Com adaptação e encenação de António Pires, o humor e a atualidade são características da peça, com variadas referências a temáticas triviais e “digitais” do quotidiano português, a par com o (re)conhecimento das 37 obras daquele que é considerado o maior dramaturgo da história mundial, William Shakespeare. As Obras Completas de William Shakespeare em 97 Minutos “viaja” pelas tragédias, comédias, peças históricas e sonetos do mais famoso e influente dramaturgo inglês, provando que “Ser ou não ser” não é uma questão a colocar quando se trata do fenómeno que este espetáculo é desde a sua estreia, em 1996!

VI Festival de Janeiras

Até 11/01/2020

Dia 10 de janeiro, às 21h30, na Igreja Stella Maris: - Coro Carmelitas Stella Maris - Anfitrião - Orfeão da Foz do Douro - Academia de Danças e Cantares do Norte de Portugal - Coro da UCP - Grupo das Janeiras da Paróquia de Aldoar - Grupo Danças e Cantares São Martinho de Aldoar Dia 11 de janeiro, às 17h30, no Auditório de Cristo Rei: - Coro de Cristo Rei - Orfeão da Foz do Douro - Coro São João da Foz - Escuteiros Agrupamento 484

Jardim da Água

11/01/2020

Descoberta de fontes e chafarizes antigos da cidade, bailado, prova de orientação e visita guiada pelo historiador Joel Cleto fazem parte do programa do próximo Jardim da Água, evento que está de volta ao Parque das Águas/Jardins de Nova Sintra, já no sábado dia 11. Tendo como mote "Fontes do Parque", esta segunda edição do Jardim da Água, que tem entrada gratuita e vai decorrer das 10 às 17 horas, pretende retratar os percursos, as fontes e os chafarizes que foram sendo instalados naquele parque entre as décadas de 1930 e 1960, à medida que iam sendo retirados das ruas da cidade. O historiador Joel Cleto será o cicerone de uma das duas visitas guiadas que integram o evento, mas os visitantes poderão ainda aproveitar para participar numa iniciação à prática da Orientação, participar nas ações de sensibilização sobre saúde e ouvir uma bela história na Biblioteca do Parque. Neste Jardim da Água não vai faltar ainda o mercado tradicional, animação, workshops e várias atividades lúdicas e culturais para toda a família. Iniciado no mês passado, o Jardim da Água é uma iniciativa mensal promovida pela Águas do Porto com uma programação animada que pretende aproximar a população do Parque das Águas, um pulmão verde em plena zona Oriental da cidade. Durante o evento, o estacionamento é livre no parque de estacionamento do recinto (Rua do Barão de Nova Sintra, 285), mas a Estação de Metro do Heroísmo e a Estação de Campanhã ficam apenas a alguns metros e são uma forma mais amiga do ambiente de chegar ao Parque das Águas. As visitas guiadas e as sessões do Planeta Água requerem inscrição prévia através do email geral@pavilhaodaagua.pt ou através do telefone 934 440 072.

Aulas de skate

Até 23/02/2020

Nos próximos três fins de semana, há sessões para iniciantes no novo Skate Park do Porto. O Skate Park do Porto, integrado desde o passado mês de novembro no Parque Desportivo de Ramalde, vai receber aulas gratuitas aos sábados e domingos. A atividade decorre de manhã, entre as 10 e as 12 horas. A participação está sujeita a inscrição. Os interessados em dar os primeiros passos a modalidade devem inscrever-se através do email desporto@agoraporto.pt, até à quinta-feira anterior à sessão. Há 20 vagas por aula.

Sábados em Família: Afinal até gosto de legumes

11/01/2020

Chega Janeiro! Deixa-se para trás 2019 e abre-se caminho para um 2020 cheio de novas conquistas. A Família Bolhão espera por si para lhe proporcionar um ano pleno, com muitas novidades, onde a tradição, a qualidade e a frescura se irão manter sempre presentes. Os Sábados no Mercado cresceram e evoluíram, para tornar as suas compras no momento perfeito de toda a família. Venha criar boas recordações connosco! Por falar em família, os nossos Sábados em Família transformaram-se! Este ano, os Sábados em Família, serão às 11h ainda mais empolgantes e mágicos, mantendo-se nos segundos sábados do mês. O Mercado do Bolhão é o parceiro perfeito das famílias em busca de uma alimentação mais saudável e tradicional. Aquilo que comemos tem influência em todas as vertentes da vida e queremos ensinar isso às nossas crianças, sem descurar a parte criativa e artística. Em janeiro, dia 11, as crianças irão aprender que afinal até gostam de legumes. Com pais e filhos a prepararem uma pizza divertida vamos explorar a confeção da massa, os cortes base de legumes e a montagem criativa. Este workshop será dinamizado pela professora Marta Quintas das Escola Superior de Hotelaria e Turismo. O evento é gratuito e não requer inscrição prévia! Venha fazer parte da Família Bolhão!

FleaMarket Porto 

11/01/2020

Sábado, 11 de Janeiro, entre as 13h e as 18h, realiza-se mais uma edição da Feira da Pulga / Flea Market, no 6º e 7º andar do Silo Auto. Desta vez o Flea Market vem acompanhado por parceiros de luxo para garantir uma grande tarde festiva, onde além da compra e venda haverá ainda muita música. Todos os andares têm entrada gratuita! É já tradição que a primeira pulga do ano se realize no Silo Auto, um local muito comodo e prático para os dias de Inverno, onde as compras podem ser feitas faça chuva ou faça sol. Apontado, por centenas de pessoas, como um dos espaços favoritos para a organização da Feira da Pulga, o Silo Auto é um dos edifícios mais característicos da cidade do Porto. Ex-libris da arquitectura para uns, obra monumental para outros a verdade é que este edifício conta já com mais de 40 anos e ninguém lhe fica indiferente. Será no 5º e 6º andar deste edifício modernista que mais de 200 carros estacionados se transformarão em bancas vivas de compra venda e troca de qualquer tipo de objetos em segunda mão. O Car Boot Sale é um formato de feira de usados muito utilizado em Inglaterra e que permite concentrar num único local uma grande quantidade de vendedores de forma muito prática. Cada vendedor chega com o seu próprio carro, abre a mala e desde aí exibe o que tem para vender. O Silo Auto é desta forma o local perfeito para organizar este evento pois tanto vendedor como comprador poderá estacionar o seu carro sem problemas para visitar o Flea Market.

Aimard Toca Messiaen

11/01/2020

€10.0

O Remix Ensemble entra no Ano França com três gerações de compositores e um grande pianista daquele país. Uma das figuras maiores do século XX, Olivier Messiaen compôs várias obras inovadoras explorando material musical oriundo do canto dos pássaros. Em Les Oiseaux Exotiques, reúne cantos de pássaros americanos e asiáticos. O pianista Pierre-Laurent Aimard é um solista de referência desta obra favorita do grande público e com ela inaugura a sua residência artística na Casa da Música. Este concerto dá início à retrospectiva da obra de Philippe Manoury, um dos compositores franceses mais importantes da actualidade, mas a obra mais recente do programa pertence a Christophe Bertrand, um compositor que prometia tornar-se uma duradoura referência da música contemporânea francesa mas que veio a falecer com apenas 29 anos, em 2010.

França Coral

12/01/2020

€10.0

Ex-titular da Maîtrise do Coro da Radio France e actual titular dos BBC Singers, a prestigiada maestrina Sofi Jeannin regressa à Casa da Música para apresentar uma fascinante viagem pela história da música coral francesa. Do século XIV à actualidade, o programa inclui obras-chave dos períodos Medieval e Renascentista, com os célebres Guillaume de Machaut e Clément Janequin. A poesia medieval do Duque Charles de Orleães dá o mote para canções compostas por Debussy – as únicas que escreveu para coro a cappella. A obra mais recente, de Manoury, é aquela que se inspira no passado mais longínquo, com recurso a textos filosóficos da Grécia Antiga que se revelam surpreendentemente modernos, enquadrados numa imponente partitura para três coros.

Rocío Márquez

12/01/2020

€18.0

Aclamada pela imprensa como a voz da nova geração de canto flamenco, Rocío Márquez é uma das referências maiores do flamenco contemporâneo. Dona de uma voz prodigiosa, uma carreira construída passo a passo e uma educação sólida, tem sido distinguida com importantes prémios. A personalidade inquieta e a enorme curiosidade são evidentes na sua discografia, que mostra transversalmente tão grande amor pela tradição flamenca como uma necessidade premente de ampliar os limites da mesma tradição. Rocío Márquez chega a Portugal para apresentar o seu novo disco Visto en el Jueves, uma reflexão crítica sobre o conceito de autoria através de um repertório que desfoca o fosso entre flamenco e não flamenco e o canto e a canção.

Clube de Teatro Sub 88

Até 16/06/2020

Desdobrando-se em blocos temporais sucessivos, o Clube de Teatro Sub 88 pretende fazer, em outubro e novembro, a iniciação ao trabalho de ator e a improvisações a partir da análise de textos dramáticos clássicos e contemporâneos. Às competências adquiridas será dada continuidade, a partir de janeiro de 2020, desenvolvendo-se um trabalho a partir das personagens do quinto ato das tragédias de Shakespeare. O Clube de Teatro Sub 88 estende-se até junho, retoma em setembro e terminará em dezembro com a apresentação do espetáculo Once Upon a Time no Autocarro.

Victor Pereira

14/01/2020

€10.0

O título Dialogues de l’ombre double é retirado da peça teatral Le Soulier de Satin de Paul Claudel, um drama que conta a história de um amor impossível e explora os diálogos entre personagens terrestres e celestiais. A peça foi escrita em 1985 por Pierre Boulez, por ocasião do sexagésimo aniversário de outro grande compositor, Luciano Berio, e é aqui apresentada na sua versão original para clarinete e fita magnética. Igualmente de França chega-nos uma obra de juventude de Gérard Grisey que inclui excertos com sons multifónicos – dois sons simultâneos produzidos por um único instrumento de sopro. Hugo Vasco Reis e João Pedro Oliveira, figuras destacadas da composição nacional, exploram também os diálogos entre a música instrumental e a eletrónica.

Little B

Até 19/01/2020

€7.0

“Little B”, a nova criação do Visões Úteis, é um espetáculo concebido, escrito e dirigido por Ana Vitorino, Carlos Costa, Mário Moutinho e Sara Barros Leitão, assumindo e ampliando a dinâmica colaborativa que é marca da identidade da companhia. Inspirado pela biografia profissional de Mário Moutinho – Artista Associado do Visões Úteis em 2018/2019 –, o espetáculo recusa, no entanto, uma perspetiva arquivista ou documentarista: não interessa tanto a vida do Mário, mas a pluralidade de vidas que uma vida pode conter; não tanto a sua vida vivida, mas a sua vida por viver; não tanto aquilo que (d)ele se recorda mas os atalhos, imprecisões e armadilhas da memória que se tornam evidentes quando se tenta arquivar uma vida. Sobretudo, mais do que aquilo que o Mário fez, interessa o que sonhou e falhou fazer - porque é aí que todos nos encontramos: o protagonista de Dumas/Sartre (“Keane”) que nunca fez, o Próspero, rodeado de marionetas, que nunca interpretou, o solo de bateria (“Little B”, The Shadows) que nunca tocou.

Dor e Glória de Pedro Almodóvar

16/01/2020

O espanhol Salvador Mallo possui uma extensa e aclamada carreira internacional como realizador de cinema. Agora, solitário, doente e a atravessar uma crise de inspiração, faz uma reflexão sobre as escolhas feitas ao longo da vida. As suas memórias conduzem-no à infância, numa pequena aldeia espanhola, até aos tempos de juventude e idade adulta, já na cidade de Madrid. Essa viagem fá-lo avaliar a sua relação com os pais, os amigos e amantes; assim como os sentimentos de alegria, tristeza e perda que foram deixando marcas profundas e o transformaram no que é hoje, enquanto homem e cineasta.

88º Aniversário Teatro Rivoli

Até 19/01/2020

Ano após ano comemoramos o aniversário do Teatro da Cidade. Dois dias abertos a todos, gratuitos, nos quais o Teatro Municipal do Porto desvenda um pouco do que se faz ao longo do ano. Vários espetáculos, instalações e concertos atestam a programação pluridisciplinar que caracteriza o Rivoli e o Campo Alegre atravessando a tradição e a contemporaneidade. Este ano, o Aniversário inicia-se com uma sessão das Quintas de Leitura especial, com carácter solidário; convidamos ainda o espetáculo "ASH", ode visual e coreográfica de Aurélien Bory & Shantala Shivalingappa; Visões Úteis – companhia de teatro da cidade que apresenta a mais recente criação; o espetáculo para famílias Narrow da companhia belga Laika; curtos formatos ocupam vários espaços do Rivoli em simultâneo com criações de Daniel Seabra, Sonoscopia e dos Jovens Artistas Associados – a dupla Guilherme de Sousa & Pedro Azevedo e Ana Isabel Castro; entre outros espetáculos a descobrir. Será também durante o dia 18 de janeiro, que apresentaremos a agenda de programação para os meses de março a julho. O nosso aniversário é também uma forma de começar um novo ano, com a energia renovada e com a pulsão artística que nos caracteriza. Estão todos convidados a passar estes dois dias especiais connosco!

FC Porto vs SC Braga

17/01/2020

€18.0

FC Porto e Sporting de Braga medem forças no Estádio do Dragão, num jogo para a 17ª jornada da Primeira Liga. O historial de confrontos diretos disputados neste estádio favorece a equipa da casa, que nos últimos 5 jogos ganhou 4 e empatou 1. De facto, no último confronto neste estádio, para a Taça de Portugal, o Porto ganhou por (3 0). A equipa da casa está atualmente na 2ª posição, com 41 pontos conquistados, depois de 13 vitórias, 2 empates e 1 derrota. No penúltimo jogo, ganhou fora contra o Sporting por (1 2). No último, ganhou fora contra o Moreirense por (2 4). No último jogo que disputou, para a Taça de Portugal, ganhou ao Varzim em casa por (2 1). A equipa do FC Porto chega a esta 17.ª jornada, que completa a primeira volta da Liga NOS, na vice-liderança da classificação, com quatro pontos de desvantagem para o Benfica. Apesar da boa campanha realizada pelo conjunto liderado por Sérgio Conceição, os “dragões” têm ficado atrás do rival e vão aqui a jogo à procura de poder capitalizar a eventual perda de pontos das “águias” no “derby” frente ao Sporting.

Western Society

Até 18/01/2020

€10.0

Damos as boas-vindas a 2020 com Western Society, uma odisseia de trazer por casa, onde a civilização do século XXI cabe por inteiro no interior de uma sala de estar. É uma oportunidade imperdível para o público do Teatro Nacional de São João conhecer os Gob Squad, um coletivo de artistas fundado nos anos 1990 em Nottingham, Inglaterra, mas que opera presentemente a partir de Berlim, Alemanha. Habitam um território em que a banalidade coexiste com a utopia e onde a presença física é amplificada pelas tecnologias digitais, ferramentas que otimizaram para introduzir o mundo real da vida quotidiana no mundo artificial do teatro. Em Western Society, reconstituem em palco a gravação de um vídeo caseiro de uma reunião familiar. Este dispositivo, que convoca a participação ativa dos espectadores, é um revelador dos recantos mais luminosos e escabrosos da cultura contemporânea. Sim, a solidão, o consumismo, a procura de formas alienadas de intimidade, o sortilégio das canções pop, a obscenidade dos reality shows, a Internet como céu e inferno. Western Society é uma sucessão disfórica de janelas que se abrem e se fecham, do palco de teatro ao ecrã de um telemóvel, do maior ao mais pequeno. O mundo encolheu? É isto a felicidade?

Toutes Les Nuits

17/01/2020

A primeira longa-metragem de Eugène Green inspira-se livremente na Primeira Educação Sentimental de Gustave Flaubert. Toutes les nuits foi escrito em 1994, rodado em 1999 e distribuído em 2001, tornando-se um caso singular de receção crítica, que reconheceu a grande originalidade da estreia de Green no cinema (recebendo o prestigiado prémio Louis Delluc para melhor primeira obra). Ambientado em 1967, o filme centra-se nos percursos de dois amigos de infância (Henri e Jules) que passam juntos as últimas férias de verão. No final da adolescência, as suas vidas estão prestes a divergir, Henri partirá para Paris com vista a prosseguir a sua formação académica, Jules permanecerá no campo. As relações sentimentais de ambos, os seus primeiros amores e a paixão platónica que um deles alimenta por uma mulher que nunca viu, desenvolvem-se sob o pano de fundo de uma intensa troca epistolar. Com a eclosão do Maio de 68, a separação geográfica destes dois amigos - que podemos ver, também, como clivagem de uma mesma personalidade — será também uma separação emocional, vivencial e política.

Bolhão em Festa: Orquestra de Cavaquinhos

18/01/2020

Chega Janeiro! Deixa-se para trás 2019 e abre-se caminho para um 2020 cheio de novas conquistas. A Família Bolhão espera por si para lhe proporcionar um ano pleno, com muitas novidades, onde a tradição, a qualidade e a frescura se irão manter sempre presentes. Bolhão é sinónimo de festa! E este ano o Bolhão em Festa é às 11h do terceiro sábado do mês. No dia 18 de janeiro, faça chuva ou faça sol, a Orquestra de Cavaquinhos da Universidade Sénior de Rio Tinto virá animar as suas compras! Para participar precisa apenas de trazer boa disposição e deixar-se contagiar pela nossa alegria. Venha fazer parte da Família Bolhão!

Narrow

Até 19/01/2020

Uma casa que é muito pequena e, dentro dela, um homem que é muito grande. Uma outra casa também muito pequena e, dentro dela, uma mulher também muito grande. Vivem próximos um do outro, emprestam açúcar um ao outro, ou chá, um aspirador, um ovo, as velhas fotografias de família, um pedaço de parede. Parecem perfeitos um para o outro. Mas viver com outra pessoa não é tão simples como parece.

Clube de Teatro Sub 18

Até 29/02/2020

Após a sua criação na temporada passada, o TNSJ quer consolidar os passos dados na formação de um Clube de Teatro, com o intuito de fazer dele um espaço de acolhimento, permanência e progressão de jovens menores de 18 anos atraídos por esta arte. Sob a orientação de Nuno Cardoso, Nuno M Cardoso e Emílio Gomes, as improvisações a que os jovens vão ser desafiados são o ponto de partida para um trabalho em torno da peça Sonho de Uma Noite de Verão, de Shakespeare.

Crisálida

Até 19/01/2020

Crisálida é o processo de crescimento, definição de cores e diferenciação sexual das borboletas. Dentro do casulo, durante este processo, decorrem explosões de cores e é o único tempo onde nada ou pouco se mexem. Luta, resistência e persistência são palavras chave deste espetáculo. Prende-se com a dialética deste trabalho a desmistificação das categorias de género, alicerçadas nas questões existencialistas de Nietzsche, Sartre e Goffman. O ser enquanto indivíduo, o ser social e a criação de novos conceitos que fomentem a descontinuidade da natureza humana são questões que interessam ao criador desenvolver nesta peça. Por analogia, trazer à cena uma estese polissémica onde a técnica circense, o vídeo e algumas experiências plásticas são utilizadas, de forma a suscitarem outros significados e novas sensações em renovados enigmas.

Inaugurações Simultâneas de Bombarda

18/01/2020

As exposições regressam a 18 de janeiro ao Quarteirão de Miguel Bombarda, com muita animação a acompanhar. A temporada das Inaugurações Simultâneas de Bombarda começa já no próximo sábado, 18 de janeiro, com o primeiro de seis ciclos em 2020. Como sempre, há muita animação a acompanhar as 15 exposições de arte contemporânea que inauguram em simultâneo durante a tarde e que ficam patentes até 7 de março. Entre as 16 e as 20 horas, haverá uma matiné de música e dança lindy hoppers do Porto na zona pedonal que cruza a Rua de Miguel Bombarda com a de Cedofeita. Ao som da música vintage de Deejay Joe, participam as academias de dança Bota Swing e Hop Dance Studio, com coordenação de Josie Georgia Productions e apoio dos Sabores do Sebouh. Do lado contrário, na zona pedonal em que a Miguel Bombarda cruza com a Rua da Boa Nova, junto ao balcão "Porto.", a associação cultural Openbox animará a tarde com os DJ da casa, a designer de comunicação Catarina Gomes orientará um workshop de ilustração para "massajar a imaginação" e a artista plástica Helena Rocio Janeiro desenvolverá uma oficina de colagens "Corta e Cola Existencial". De resto, haverá visitas guiadas e gratuitas às 15 galerias que, neste próximo sábado, inauguram em simultâneo exposições de arte contemporânea. A participação nesses percursos é gratuita, mas requer inscrição. Vemo-nos pela Rua?

Rituais Franceses

18/01/2020

€13.0

Repleto de sensualidade, colorido e poder de sugestão, o Prélude à l’Après-Midi d’un Faune de Debussy, baseado em versos de Mallarmé, tem atraído públicos de sucessivas gerações desde a sua estreia em 1894. Este programa ilustra fases diversas da trajectória musical francesa desde então, com obras de três dos compositores mais incontornáveis nesse percurso. De Pierre Boulez ouvir-se-á o Rituel, escrito na década de 1970 em memória de Bruno Maderna, no qual que se tira partido da distribuição dos músicos em oito grupos separados no palco. A fechar o programa, destaca-se a estreia em Portugal de Sound and Fury de Philippe Manoury, um dos mais importantes compositores franceses da actualidade, cuja obra está em retrospectiva na programação da Casa da Música ao longo de 2020.

Se esta rua falasse de Barry Jenkins

18/01/2020

Nova Iorque, década de 1970. Tish e Fonny são dois jovens afro-americanos apaixonados e cheios de esperança no futuro. Quando ele é preso injustamente devido a uma acusação de violação, o casal vê o seu mundo ruir. Algum tempo depois, ao descobrir que está grávida do primeiro filho de ambos, Tish toma uma decisão: encontrar um meio de provar o erro judicial que colocou o namorado atrás das grades para que ele possa assistir, em liberdade, ao nascimento da criança. Com realização de Barry Jenkins (responsável pelo triplamente oscarizado "Moonlight"), um filme dramático sobre injustiça e preconceito que se baseia no romance homónimo de James Baldwin.

DING DONG

18/01/2020

€15.0

Bernardo sabe que a sua mulher, Júlia o engana. Engendra uma maneira de vingar os seus ciúmes. Por telegrama convida o amante, Roberto para ir a sua casa, assinando o telegrama em nome da mulher. No frente a frente entre os dois, Bernardo dá-lhe duas opções; ou o mata ou dorme com a mulher de Roberto. Depois de algumas hesitações Roberto concorda com a segunda opção. Bernardo marca para essa mesma noite um jantar em sua casa e de Júlia com o objetivo de conhecer Julieta, mulher de Roberto. O jantar vai assim juntar os quatro mais a empregada, Maria Luisa. Mas Roberto em vez de levar sua verdadeira mulher, leva uma amiga aventureira, desinibida, mais nova e muito atraente a fazer-se passar por sua mulher… Durante as várias peripécias, incómodos, paixões que o jantar suscita aparece mais uma personagem. A verdadeira mulher de Roberto. Estão lançados os ingredientes desta louca comédia de portas. Como é que vai acabar? Nunca se sabe… Sabemos que quase todos mentem… mas será que todos traem?

aSH

Até 19/01/2020

Conheci a Shantala Shivalingappa em 2008, nos bastidores de um teatro em Dusseldorf, onde era convidada da Pina Bausch. Foi aí que tudo se alinhou de forma realmente poderosa. aSH é o opus final na trilogia de retratos de mulheres iniciada dez anos antes com Questcequetudeviens? (2008) e que continuou com Plexus (2012). Nessa trilogia, não tomo como ponto de partida o espaço, que é o meu tema habitual no teatro, mas uma mulher, uma pessoa com uma história, um ser vivo que se revela através da dança. Xiva, o deus da dança, habita a Shantala Shivalingappa. De acordo com a literatura, Xiva tem mais de mil nomes. É um deus de criação e destruição. A cinza [ash] não é apenas o resíduo sólido da combustão perfeita, é aqui um processo. Faz parte de um ciclo de nascimento e morte que começa do nada – o início de qualquer forma no teatro – e tende para uma forma efémera antes de desaparecer. A dança de Shantala assemelha-se a um kolam, um desenho feito no chão com farinha de manhã, destruído pelo vento durante o dia e refeito no dia seguinte. Círculos, pontos, simetrias, espirais, fractais… a dança dela parece ser uma representação da própria estrutura do mundo. Em aSH, título formado com as iniciais do primeiro e último nomes dela, gostaria que o espaço tivesse todo um ritmo. Gostaria que o espaço começasse por se exprimir como uma vibração, a qual é depois apanhada, transformada e prolongada indefinidamente pelo percussionista Loïc Schild. A dança de Shantala baseia-se na sua viagem da Índia para a Europa, do kuchipudi a Pina Bausch, de Xiva a Dionísio, deus do teatro, que alguns dizem descender do mesmo deus. Shantala está sempre a viajar entre Madrasta, onde nasceu, e Paris, onde vive. A sua dança é um pêndulo perpétuo, muito à semelhança do nosso encontro: algures entre a mística hindu e a física quântica. – Aurélien Bory

Mohammad Reza Mortazavi

18/01/2020

Mohammad Reza Mortazavi nasceu no Irão em 1978. Iniciou as aulas de tombak aos 6 anos e, aos 9, já dominava o instrumento ao nível dos maiores mestres. Ainda criança, venceu a competição anual iraniana de tocadores de tombak, onde apenas os melhores instrumentistas são avaliados. Aos 20, já era considerado por muitos um dos melhores tocadores de tombak e daf - instrumentos tradicionais de percussão persa. Construiu uma reputação infame entre os mais canónicos percussionistas persas ao desenvolver mais de 30 novas técnicas de tocar os instrumentos tradicionais da região ao mesmo tempo que esgotava as salas de concertos de Teerão. Tornou-se numa figura de relevo dos circuitos da música de raízes, tocando nos maiores festivais ao longo de mais de duas décadas. Em 2017, editou com Burnt Friedman o EP Yek; em 2018, um outro EP, desta vez a solo, na editora portuguesa Padre Himalaya; e, em 2019, o LP Ritme Jaavdanegi na francesa Latency. Estas três edições provaram-se cruciais ao introduzirem os seus ritmos ao universo das vanguardas da música eletrónica, experimental e de dança. Mohammad Reza Mortazavi é um desses raros músicos capazes de aproximar os conceitos tantas vezes distantes de vanguarda e tradição. Somente com as mãos, produz o que se poderia apenas esperar de um pequeno ensemble de percussionistas, processado e polido pelo mais meticuloso engenheiro sonoro.

Sentir o azul profundo debaixo das ondas do mar

19/01/2020

€5.0

A arte de Catarina Machado apresentada em “Sentir o Oceano” (exposição temporária – Sala Multiusos) desperta emoções e inspira a participação nesta oficina. A construção de uma caixa de luz e o uso dos sentidos levam o pensamento a mergulhar no mar da imaginação, desafiando a capacidade criativa de crianças e adultos e promovendo a partilha de sensações, sempre com muita brincadeira à mistura.

Te Deum

19/01/2020

€17.0

A Orquestra Barroca e o Coro Casa da Música apresentam-se ao lado de um dos maiores especialistas no Barroco francês, o maestro Hervé Niquet, fundador do prestigiado agrupamento de música antiga Le Concert Spirituel. Naquela que é a sua estreia na Casa da Música, dirige um programa inteiramente dedicado a um dos maiores mestres da música francesa, Marc-Antoine Charpentier, célebre especialmente pela sua extensa produção vocal. Composta na última década de vida de Charpentier, Missa Assumpta est Maria é considerada uma das suas obras-primas, escrita para vozes solistas, coro e acompanhamento instrumental. Não podia faltar o célebre Te Deum que inclui um ensemble instrumental alargado para a época e cujo prelúdio inicial foi usado como tema de abertura da União Europeia da Radiodifusão e do Festival Eurovisão.

O Lago dos Cisnes

19/01/2020

€35.0

Uma cativante história de amor (um príncipe, uma bela jovem transformada num cisne pelo feitiço de um bruxo, um engano mortal...), o virtuoso papel duplo de Odette/Odile, a força da música de Tchaikovsky e um dos maiores pas de deux do repertório do ballet, convertem O Lago dos Cisnes numa experiência única. Um ambiente romântico, uma coreografia esplêndida e uma história de amor condenado inesquecível combinam-se para fazer do Lago dos Cisnes um verdadeiro espetáculo de ballet clássico aclamado pelo público em todo o mundo. Com mais de 30 bailarinos em cena, esta sumptuosa produção do Moscow State Ballet capta toda a beleza e drama do ballet romântico autêntico, um clássico intemporal que atrai qualquer geração.

Gala Strauss

20/01/2020

€37.0

A tournée mais famosa da Europa. Inspirado no tradicional encontro musical que cada ano se celebra em Viena, o Grande Concerto de Ano Novo, após o êxito de edições anteriores, com uma atrativa seleção das melhores valsas, polcas e marchas de Strauss. A Strauss Festival Orchestra e o Strauss Festival Ballet Ensemble interpretam títulos tão conhecidos do músico austríaco, como Napoleão, Festa das flores, Klipp Klapp, A valsa do imperador ou Champagne. Não faltará a valsa mais célebre de todas, o magnifico Danúbio Azul, nem a Marcha Radetzky que, ao compasso das palmas do público, fecha a noite habitualmente. Mais de cinco milhões de espectadores já assistiram e aclamaram a produção da Strauss Festival Orchestra por toda a Europa: no Musikverein de Viena, Concertgebouw de Amsterdão, na Philarmonie de Berlin, no Musikhalle de Hamburgo, no Auditorium Parco della Musica de Roma, no Gran Teatre del Liceu ou no Palau de la Música de Barcelona, no Teatro Real e no Auditorio Nacional de Música de Madrid, nos Coliseus de Lisboa e Porto etc. O bailado, com estilizadas coreografias e vestuários de sonho, restitui um aspeto essencial aquelas compaixões musicais concebidas para acompanhar a dança. O concerto constitui um dos momentos culminantes da temporada musical da Euroconcert, não só pelo extraordinário clima festivo que rodeia este espetacular programa senão também pela enorme participação de um público que, ano após ano, atende com entusiasmo ao concerto para festejar a chegada do Ano Novo. Uma tradição a não perder!

Alceu Valença

20/01/2020

€25.0

Após a bem-sucedida parceria entre Alceu Valença, o maestro Rodrigo Toffolo e o encenador Paulo Rogério Lage, com a criação do espectáculo “Valencianas”, que percorreu o Brasil e Portugal sempre com concertos esgotados, o trio apresenta “Valencianas II”. Com este novo espectáculo chegam novas músicas, novos arranjos e ainda mais sucessos de Alceu. Concebido em 2010 para celebrar os 40 anos de carreira de Alceu Valença, “Valencianas” representou a primeira experiência de orquestração da obra do cantor e compositor pernambucano.

Quarteto de Cordas de Matosinhos

21/01/2020

€10.0

Os seis quartetos op.18 são a primeira incursão de Beethoven no domínio do quarteto de cordas. Na tonalidade de Dó menor, que no compositor alemão tem algo de trágico e inevitável, o Quarteto nº 4 fala-nos em discurso direto e sem grandes rodeios, com uma invenção melódica a lembrar Mozart. Termina com grande virtuosismo ao estilo húngaro, uma rara incursão de Beethoven neste estilo que Haydn tanto apreciava e que viria a ser o alvo favorito de muitos compositores do Romantismo. Escrito um século depois, o único quarteto de Ravel completa este recital do Quarteto de Cordas de Matosinhos numa referência ao Ano França na Casa da Música. Obra envolta em polémica na época em que foi escrita, mal recebida pelos críticos mas admirada por figuras como Debussy, rapidamente foi incluída no repertório dos grandes quartetos e se tornou um dos mais tocados do séc. XX.

Maria Caldas Ribeiro - Série Vermelhos

Até 07/03/2020

“Série Vermelhos” é um trabalho que tem vindo a ser desenvolvido desde 2003, (entre outras séries). A construção tem como base a matemática sendo este o principal motor de busca. O desenho surge de uma forma aleatória, criando consonância entre si, onde se cruzam, sobrepõem linhas de espessuras diferentes pretas e brancas, sobre um fundo vermelho.

Afinal, José Régio vem por aqui

23/01/2020

Pois veio… pois virá, mais propriamente… não o diz no seu “CÂNTIGO NEGRO”, mas estamos certos que gostaria muito de vir até à Foz… Às quintas-feiras, quando vinha de Vila do Conde ao Porto para tertuliar com os seus amigos, e regressava na “Linhares” a casa, certamente que gostaria que a camionete passasse aqui por estas bandas… Claro, isto dizemos nós, que muito desejaríamos que assim fosse… A pretexto de terem passado cinquenta anos da sua partida, vamos fazer para que a sua estadia entre nós, seja na próxima quinta-feira, dia 23, “pelas” 18.30h, no Castelo da Foz, com a presença de duas especialistas da sua obra – Isabel Cadete Novais e Isabel Ponce de Leão. Uma exposição documental será apresentada. José Valle de Figueiredo

António Raminhos - O Sentido Das Coisas... E Isso

23/01/2020

€10.0

Tudo aquilo que fazemos tem um significado. Bom, pode não ter um significado. Se estiver no mar do Algarve a tomar banho e de repente um carapau saltar e o agredir não terá assim um grande significado...ou terá? Porque isto realmente aconteceu com António Raminhos e faz parte do novo espetáculo, O sentido das Coisas...e isso, uma viagem entre o humor e a busca da resposta à dúvida porque é que estamos aqui e já agora porque é que um carapau o agrediu no Algarve.

Dar letra à música - Janeiro

23/01/2020

Janeiro apresenta-se com o álbum “frag.men.tos” (2018), mas há muito mais para descobrir sobre o primeiro convidado de 2020 nas noites de canções, conversa e boa disposição no Museu. Novo talento refinado no Hot Clube De Portugal e na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas em Lisboa, onde estudou Musicologia, Janeiro tinha 20 anos de idade quando gravou, em casa, o EP de estreia “Janeiro” (2015), revelando influências de fado, jazz e R&B eletrónica e qualidade para atuar em festivais de referência. Seguiram-se as Janeiro Sessions, com episódios ainda preservados no YouTube e convidados importantes: Miguel Araújo, Salvador Sobral e Ana Bacalhau, por exemplo. O tema “Canção Para Ti” e um convite de Sobral para participar no Festival da Canção da RTP (com o original “sem título”) destacam 2017 como outro ano forte de Janeiro, que se estreia no auditório do Museu antes de a Janeiro Sessions Live Tour o levar à Casa da Música – em ambos os espaços, “Solidão” (a bombar na rádio) ou “Preguiça” são hipóteses para escuta ao vivo. Com as perguntas e o humor a cargo da habitual dupla de apresentadores e provocadores, sujeito à lotação da sala.

O intendente Sansho de Kenji Mizoguchi

23/01/2020

No Japão medieval, um governador permissivo é mandado para o exílio. A mulher e os dois filhos tentam juntar-se-lhe, mas são cruelmente separados. Enquanto a mãe é forçada a prostituir-se, os filhos, Anju e Zushio, são vendidos como escravos ao tirano Sansho e crescem submetidos ao sofrimento e à opressão. Anos mais tarde, Zushio é um homem duro, mas a irmã, Anju, não esqueceu a história de ambos.

Henri Cartier-Bresson: Retratos

Até 12/04/2020

€10.0

“Henri Cartier-Bresson: Retratos” é o nome da exposição, composta por 121 trabalhos do fundador da Agência Magnum Photos. A mostra, produzida e realizada pela empresa portuguesa Art For You, em parceria com a Fundação Henri Cartier-Bresson, tem curadoria de Aude Raimbault. Sete décadas de trabalho surgem condensadas nesta exposição, que se baseia no livro Tête à Tête, de 1998. As primeiras imagens datam de 1930, quando o autor viajou pela Europa com o amigo André Pieyre de Mandiargues; e as últimas são da altura em que decidiu trocar a fotografia pelo desenho, a sua paixão original. Aos rostos de celebridades juntam-se outros de pessoas anónimas, captados pela Leica do fotógrafo que também foi pintor, realizador e documentarista, e faleceu em 2004. Paralelamente, são exibidos 12 trabalhos que recriam os recantos da cidade do Porto fotografados por Cartier-Bresson em 1955, mas à luz dos dias de hoje. São da autoria dos fotógrafos Luís Nobre, Pedro Mesquita, André Boto e Diogo Borges. “Retratos – Porto: Um Olhar Contemporâneo” é como se chama esta mostra complementar. O produto das vendas destina-se à Associação O Joãozinho, cujo objetivo é obter financiamento para a nova Ala Pediátrica do Centro Hospitalar de São João.

Experiência iSEA

Até 13/02/2020

O Planetário do Porto - Centro de Ciência Viva está a facultar expedições virtuais ao mar dos Açores, no âmbito do projeto de comunicação de ciência iSEA, liderado pela Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP). Aberta aos maiores de 18 anos, esta experiência de realidade virtual é de acesso gratuito, mediante inscrição prévia, e visa possibilitar a exploração dos ecossistemas durante uma "missão" de cerca de uma hora. O acesso do público à "viagem", resulta do projeto iSEA, e tem como objetivo a criação de um conjunto de conteúdos e mensagens sobre ecossistemas do fundo do mar para comunicação científica e o desenvolvimento de um método não-intrusivo, válido e replicável em locais como centros de ciência e museus. O estudo exploratório tem ênfase nas temáticas abordadas pelo Centro de Investigação Internacional do Atlântico (AIR Centre – The Atlantic International Research Centre), nos Açores, em particular na sustentabilidade dos ecossistemas do mar profundo.

Um Virtuoso Para Schumann

24/01/2020

€18.0

O Concerto de Schumann é uma das obras fundamentais do repertório para violoncelo. Mais do que o virtuosismo e o fogo‑de‑vista, o que conquista os ouvintes e os próprios intérpretes é a sua densidade emocional e as bonitas sonoridades. O solista convidado para o tocar ao lado da Sinfónica é Pablo Ferrández, um jovem artista que está a construir uma brilhante carreira internacional, sendo premiado do Concurso Tchaikovski e uma aposta da rede europeia de salas de concerto ECHO. A obra é enquadrada neste programa por duas composições de Antonín Dvorák: a Abertura Carnaval traz reminiscências da sua Boémia natal, alternando o furor festivo dos ritmos populares e os ambientes pastorais; e a Sétima Sinfonia é filiada na grande tradição sinfónica germânica de Beethoven e Brahms e é considerada uma das mais profundas das nove que o compositor checo compôs.

Virgens suicidas

Até 25/01/2020

€9.0

Com uma linguagem clínica precisa, composta por detalhes misteriosos e eróticos, “Virgens Suicidas”, de John Romão, com dramaturgia de Mickael Oliveira, é uma criação que se inspira no texto homónimo de Jeffrey Eugenides e no texto “Mine-Haha, or On the Bodily Education of Young Girls” de Frank Wedekind. Interpretado por Luísa Cruz, Vera Mantero, Mariana Tengner Barros e ginastas adolescentes. As intérpretes estão recolhidas num espaço confinado ao feminino, onde se observa uma vida rotineira e rígida: dedicam-se à educação física, ao teatro, à dança, num aparente ambiente idílico. Há algo de inquietante entre as paredes deste lugar: para além das raparigas sofrerem de isolamento absoluto, afastadas do resto do mundo, a sua submissão a uma disciplina física severa abre em cada uma delas um estado de exceção a desejos violentos de aniquilação. “Virgens Suicidas” ataca a natureza repressiva da educação, é um chamamento distópico às armas, marcado pela inauguração e o fim do corpo adulto.

Autobiografia Autorizada com Paulo Betti

Até 26/01/2020

€15.0

Vindo de um mundo rural, no qual o avô, imigrante italiano trabalhava a meia para um fazendeiro negro, Paulo Betti, filho mais novo e temporão de uma camponesa analfabeta mãe de 15 filhos e de um pai esquizofrênico, contra todas as probabilidades, alcança uma carreira de enorme sucesso nacional e internacional. Neste testemunho pessoal e íntimo, com humor, poesia e dor, mergulha na vida de seus pais, avós e muitos outros personagens inusitados e nos apresenta um extraordinário espetáculo que nos leva do drama ao riso numa viagem ao Brasil profundo.

Electric: A Virtual Reality Exhibition

Até 24/05/2020

€12.0

Electric é uma exposição de realidade virtual, comissariada por Daniel Birnbaum e organizada pela Acute Art. Nela se apresenta uma seleção de trabalhos de artistas emergentes e consagrados, que exploram este novo meio de ângulos radicalmente diferentes. Electric inaugurou em maio de 2019 na Frieze de Nova Iorque como mostra coletiva, reunindo obras do Städelschule Architecture Class (SAC), de R. H. Quaytman, Nathalie Djurberg & Hans Berg e Anish Kapoor. Acute Art é uma organização que junta artistas internacionais, novos meios e tecnologias para produzir obras visuais de grande qualidade e promover exposições em instituições artísticas de renome a nível internacional. Recentemente, foram expostos trabalhos desta plataforma em Londres, Basileia, Moscovo e Veneza. O objetivo da Acute Art é produzir e apresentar obras de realidade virtual, realidade aumentada e realidade mista que sejam acessíveis, inteligíveis e que possam ser expostas sem ser necessário recorrer a complexas infraestruturas. Anish Kapoor e Nathalie Djurberg & Hans Berg usam a realidade virtual como forma de levar a sua prática para uma nova dimensão. Construídas a partir de motivos e técnicas recorrentes nas respetivas obras dos artistas, estas experiências imersivas levam o observador por percursos desconcertantes através de mundos fictícios. Adaptado para Serralves, o projeto integra ainda uma obra de Olafur Eliasson, artista atualmente em exposição no Museu e no Parque de Serralves, e uma obra em Realidade Aumentada de Koo Jeong A, apresentada no Parque de Serralves.

Sábados à Conversa: "Alimentação Mediterrânica: do Mercado ao Prato"

25/01/2020

Chega Janeiro! Deixa-se para trás 2019 e abre-se caminho para um 2020 cheio de novas conquistas. A Família Bolhão espera por si para lhe proporcionar um ano pleno, com muitas novidades, onde a tradição, a qualidade e a frescura se irão manter sempre presentes. Algo em que também somos bons é a conversar, e porque é a conversar que nos entendemos, ao quarto sábado do mês às 11h, os Sábados à Conversa terão lugar no Bolhão. No dia 25 de janeiro a nutricionista Liliana da Silva Pereira, da Nutriduc, traz ao Bolhão o tema "Alimentação Mediterrânica: do Mercado ao Prato”. Aos clientes serão apresentados os benefícios e as características da dieta mediterrânica na saúde e no ambiente, bem como terão oportunidade de fazer uma visita guiada pelas bancas, com dicas a reter no momento das suas compras. Este é um evento gratuito, não requer inscrição, onde poderá colocar questões e esclarecer dúvidas acerca das melhores escolhas para a alimentação da sua família. Venha conversar connosco e faça parte da Família Bolhão!

Floco, o Coelho Mágico

25/01/2020

€5.0

O Floco não é um coelho branco. Aliás, ele pode ser de qualquer cor, pois aprendeu uma magia muito engraçada, que faz abrir a boca de espanto todos os que veem o Floco a atuar. A história deste mês é mais uma aventura cheia de peripécias e muitas brincadeiras para descobrir sob a batuta engenhosa, performativa e mágica de Rui Ramos, que vai revelar o mundo de encantar saído do seu, nosso, ‘Baú do Contador’. Neste universo fabuloso, até os adultos se divertem a valer!

Correspondances / A Religiosa Portuguesa

25/01/2020

Virgile e Blanche cruzaram olhares por breves instantes, na pista de dança de uma festa. Não se apresentaram, não se conhecem, não trocam uma só palavra, mas, a partir desse momento, Virgile enamora-se perdidamente por Blanche. Tímido, consegue o seu endereço de e-mail e escreve-lhe uma mensagem. Mas ela não só não se recorda dele, como ama outra pessoa, Eustache. Na senda de A Princesa de Clèves, de Madame de La Fayette, a relação amorosa que progressivamente se desenvolve entre os dois correspondentes vai adquirindo uma profundidade pouco conforme aos modos de vida contemporâneos, mas o amor triunfará e levará a melhor sobre a renúncia. Esta média-metragem retrata um triângulo amoroso na era da comunicação eletrónica e marca a estreia de Eugène Green no suporte digital. O filme resulta, aliás, do convite do festival de Jeonju, na Coreia do Sul, no âmbito da longa-metragem coletiva Memories (Jeonju Digital Project 2007), projeto que, nesse ano, teve igualmente a participação de Pedro Costa e Harun Farocki. Julie de Hauranne, uma jovem atriz francesa que fala a língua da sua mãe, o português, mas que nunca esteve em Lisboa, chega pela primeira vez a esta cidade, onde vai rodar um filme baseado nas Lettres portugaises de Gabriel de Guilleragues. Deambulando pela cidade nos intervalos da rodagem, deixa-se fascinar por uma freira que reza, todas as noites, na capela da Nossa Senhora do Monte, no alto da Graça. No decurso da sua estadia, a jovem trava uma série de breves conhecimentos mais mundanos que, à imagem da sua existência anterior, lhe parecem fugazes e inconsequentes. São personagens um pouco perdidas, dilaceradas pela efemeridade do amor, múltiplo e fragmentário. Mas uma noite Julie conversa com a freira que, em estado de graça, lhe fala de um amor uno e incorruptível que dará, finalmente, sentido à sua vida e ao seu destino.

Xacobe Martínez Antelo Trío

25/01/2020

Depois de "Isto é Jazz" (2005), "Xacobe Martínez Antelo Trio" (2008) e "Jazz from Galiza" (2010), Xacobe Martínez Antelo, através do seu trio renovado, lança o seu quarto álbum como líder. Em "CAPTURAS" (2019), o trio composto por Xosé Miguélez, Max Gómez e o próprio Xacobe, apresenta um trabalho profundo, maduro, absolutamente ancorado no presente e no qual a música transborda pelos quatro lados. Oito composições originais inspiradas em factos quotidianos e realidades que nos atacam, nos acompanham ou fazem parte da nossa vida atual. Local: Sala Porta Jazz

Keane

25/01/2020

€22.0

Depois do lançamento do novo álbum “Cause and Effect”, os britânicos Keane confirmam as datas e cidades da digressão europeia de apresentação deste novo trabalho, que arranca no início de 2020. Tendo como ponto de partida Bruxelas, a tournée chega a Portugal dia 25 de janeiro, com um concerto no Coliseu do Porto Ageas. “Cause and Effect” é o sucessor de “Strangeland”, editado em 2012, que inclui os singles "Disconnected" e "Silenced by the Night". A edição deste novo álbum foi uma surpresa até para a banda. Tom Chaplin já conta com dois álbuns a solo de sucesso, no entanto, sentiu falta do seu parceiro de treino, Tim Rice-Oxley. “Dei por mim a questionar-me como é que eu tinha deixado esta importante relação a flutuar”, explica Tom. Ao mesmo tempo, Tim encontrava-se a passar pelas suas próprias lutas. Nessa mesma altura, apercebeu-se que tinha escrito um álbum com temas incrivelmente pessoais, alimentados pelo humor e pela dor. Quando Tom, o baixista Jesse Quin e o baterista Richard Hughes ouviram as músicas, ficaram imediatamente rendidos sonora e liricamente. A partir daí, a banda voltou ao estúdio para fazer o que realmente gostava, dando vida a essas músicas e criando novamente uma ligação. Como Tim Rice-Oxley salienta, "temos muita música boa em nós". “Cause and Effect” é exatamente isso.

PAUS

25/01/2020

€10.0

Os PAUS anunciam a apresentação do recém-editado YESS ao vivo, pela primeira vez em terras lusas, depois de regressarem da digressão brasileira em Dezembro. O positivo concerto, apoiados pela Antena 3, está agendado para 25 de Janeiro, no Hard Club. Sem nada a provar e tudo a experimentar, os PAUS até agora sempre foram uma banda de dizer “porque não?”. 10 anos, 4 discos, 3 EP’s e múltiplas digressões por vários continentes, deixam o quarteto de Lisboa num sítio positivamente novo, num momento no qual, para cada novo desafio e oportunidade, a resposta parece ter evoluído para “YESS”. Depois de uma visita inspiradora a S. Paulo e várias experiências colaborativas, “YESS” é positivamente um disco de PAUS, a banda que muda por natureza e que ao fim de 10 anos continua sem medo de arriscar, de se rir de si própria e de mudar. Antecipado pelo single homónimo que os mostra ligados ao pulso de Lisboa com uma finesse desavergonhada, juntando ao sabor da cidade um peso rock que só soa a PAUS. O disco conta com a colaboração nos arranjos para sintetizadores modulares do brasileiro Grass Mass. Este trabalho de texturas electrónicas ajudou a expandir o imaginário do que pode ser um disco de PAUS – das pistas de dança de Lisboa aos escuros clubes de punk rock, das rodas de batuque das ruas de São Paulo às raves de Berlim.

Mercadinho dos Clérigos 

Até 29/03/2020

Quem passar entre as 10 e as 19 horas, irá encontrar a oferta variada do evento: artesanato, roupa, antiguidades, produtos biológicos, livros, brinquedos, entre outros artigos.  Como decorre no exterior, este mercado está sempre dependente de condições climáticas favoráveis.

A Sétima de Dvorák

26/01/2020

€11.0

Após a sua estreia triunfal em Londres, a Sétima Sinfonia de Dvorák fixou-se no repertório como uma obra fundamental descendente em linha directa das grandes sinfonias de Beethoven e Brahms. As influências do folclore eslavo, tão exploradas por Dvorák noutras obras, esbatem-se aqui para dar lugar ao mundo interior e ao universalismo do compositor, revelado em instrumentações imaginativas e no genial tratamento do material musical. Uma obra ambiciosa, sombria e marcada pela intensidade dramática, explicada neste concerto por Daniel Moreira, com recurso a exemplos musicais apresentados pela orquestra antes da sua interpretação completa.

Les Signes / La Sapienza

26/01/2020

Uma mulher vive com os seus dois filhos (um, ainda criança, o outro, adolescente) numa pequena vila piscatório no País Basco francês. O seu marido, pescador, desapareceu misteriosamente há mais de cinco anos, mas ela não se conforma com isso. Como uma faroleira infatigável, acende todas as noites uma vela que coloca à janela na expectativa de que possa orientar o regresso desse Ulisses perdido a casa. O filho mais velho, cansado de esperar, decide procurar o pai ausente, interrogando vários dos que com ele trabalhavam. No decorrer desta busca, conhece um homem misterioso, que o interroga sobre as suas origens. O mesmo homem que ouvirá, ainda, as confidências da mãe a quem pergunta se, passado tanto tempo, seria ainda capaz de reconhecer o marido desaparecido. Alexandre é um prestigiado arquiteto que acaba de vencer um prémio importante. No auge da sua carreira, decide partir com a sua mulher, Alienor, para Itália onde pretende escrever um livro sobre a vida e obra de Francesco Borromini. A relação entre os dois já viu melhores dias e Alienor está bem ciente disso. Um dia, passeando à beira do lago Maggiore, conhecem casualmente Goffredo e Lavinia, dois irmãos no fim da adolescência. Ela está doente, ele iniciará brevemente a sua formação académica em arquitetura, e o encontro acidental depressa se torna num bom pretexto para a separação do casal. Alienor ficará em Stresa a cuidar de Lavinia, Goffredo partirá com Alexandre num périplo pelos edifícios de Borromini, entre Turim e Roma. O trabalho da luz nas obras do arquiteto barroco revela a Alexandre a necessidade de reenquadrar a sua vida e o seu casamento. E é por isso que no fim desta viagem a Itália, munidos de uma renovada sabedoria, o milagre sempre acaba por acontecer.

A celebration of John Williams

27/01/2020

€37.0

Ser um Jedi por uma noite, escavar à procura de tesouros, fugir de dinossauros ou lançar um feitiço? Esta música vai levá-lo precisamente lá! Os atos heroicos de Star Wars, a audácia de Indiana Jones e a magia de Harry Potter inspiraram John Williams a criar algumas das partituras dos filmes mais apreciados de todos os tempos. Com cobre em chamas e cordas voadoras, este concerto orquestral realça o fenomenal compositor cuja música definiu as idas ao cinema durante três gerações, com temas de Super-homem, Parque Jurássico, Os Salteadores da Arca Perdida e O Resgate do Soldado Ryan entre dezenas que se tornaram clássicos. Sejam guerreiros ou wookiees, a ameaça de Tubarão, a emoção de Cavalo de Guerra ou a estranheza de E.T., John Williams leva-nos por batalhas, atravessámos o céu noturno e até ao espaço. Por isso, para ter aventuras espetaculares e momentos arrepiantes, deixe-se levar e venha a este concerto imperdível!

IndieJúnior Allianz

Até 02/02/2020

€4.0

Nesta quarta edição, o IndieJúnior Allianz Festival Internacional de Cinema Infantil e Juvenil do Porto regressa ao Teatro Rivoli, à Biblioteca Municipal Almeida Garrett, à Casa das Artes e à Reitoria da Universidade do Porto, durante seis dias, de 28 de Janeiro a 2 de Fevereiro de 2020, para apresentar o cinema infantil e juvenil mais criativo e original que se faz pelo mundo fora. O festival integra uma competição internacional de longas e curtas metragens, com cerca de 50 filmes recentes (ficções, documentários, animações), quase todos inéditos no nosso país, e que são avaliados por três júris (oficial, escolas e público) que atribuem o palmarés do festival. Vários dos filmes a concurso são selecionados por alunos de escolas da cidade, que fazem parte da iniciativa “Eu programo um festival de cinema!”, organizada em parceria com o Programa Paralelo do Teatro Municipal do Porto. Porque no festival também há lugar para clássicos, mantemos a secção “O meu primeiro filme”, contando com três convidados da cidade do Porto para escolher um filme importante da sua infância. Entre os dias 28 de Janeiro e 2 de Fevereiro, o IndieJúnior Allianz será uma grande festa do cinema, um mundo projetado no grande ecrã onde cabem todas as ideias e sonhos. Venham ver!

Wim Mertens

29/01/2020

€35.0

São 40 anos de carreira, contados desde a obra electrónica For Amusement Only, que usava exclusivamente sons de máquinas de flippers. Seguiram‑se clássicos como Struggle for Pleasure (1983) e Maximizing the Audience (1984). Nas décadas seguintes, Wim Mertens refinou a sua linguagem, compôs para diversos instrumentos e ensembles e firmou o seu nome no panorama internacional com recitais regulares nas melhores salas do planeta, a solo, em pequenas formações e com orquestra. Para assinalar devidamente tão importante marco, lançou o CD quádruplo Inescapable, em Novembro, com 61 composições – entre marcos do seu percurso, gravações ao vivo e peças inéditas. Esse é o mote para uma digressão mundial que passa naturalmente por Portugal, um dos países que acolheram o compositor belga desde praticamente o início da sua carreira.

Margem

Até 02/02/2020

€10.0

Brecht falava de margens e dizia-as tão “violentas” como a violência do “rio que tudo arrasta”, porque o comprimem. Margem, com direção de Victor Hugo Pontes, fala de uma violência similar, a de jovens em risco na periferia da vida, como a dos Capitães da Areia (1937), de Jorge Amado, livro que lhe serviu de inspiração e “guia para o caminho”, desconstruído e reconstruído aqui pela escrita de Joana Craveiro. Ao diálogo entre a linguagem coreográfica de Victor Hugo Pontes e o livro sobrepôs-se uma segunda camada, a das histórias de vida, recolhidas em pesquisa prévia, de crianças institucionalizadas da Casa Pia e do Instituto Profissional do Terço, e ainda uma terceira, feita das memórias e experiências dos próprios intérpretes e do seu processo de construção do espetáculo – todas estas camadas se entrecruzam no texto original desta criação. Um elenco de miúdos dos 14 aos 20 anos (mais um bailarino e um ator profissional) habita o palco-casa-abrigo, colchões espalhados pelo chão, o oásis (sonhado?) de uma palmeira, como um espaço vital de (sobre)vivência de si em grupo, em família, até. Margem, a meio caminho entre a dança e o teatro documental, movido por uma banda sonora urgente e tribal, é assumidamente um trabalho “muito político”. Racismo, sexo, revolução e morte afloram igualmente, mas há uma energia vibrante a percorrer Margem, e essa energia persiste e resiste.

Orient Express – Viagem de Retorno

Até 29/03/2020

€12.0

Ao longo de cerca trinta anos foi criado um espólio de maquetes e outras peças que foram usadas em exposições da Obra do arquiteto Álvaro Siza. A maioria das exposições onde este material expositivo foi usado, ou exposto, teve a curadoria do arquiteto Carlos Castanheira que o mantinha à sua guarda. Muitas destas peças, em especial maquetes de madeira e maquetes de cartão foram emprestadas para muitas outras exposições organizadas e curadas em todo o mundo, como por exemplo as que fazem parte da exposição (in)Disciplina patente no Museu de Serralves. Estando o Museu de Serralves a criar e a organizar atividades, assim como um Arquivo de Arquitetura, pareceu a Álvaro Siza e a Carlos Castanheira que é o momento indicado para entregar ao cuidado do Museu de Serralves a guarda, restauro e gestão de todas essas peças. Em 2019 procedeu-se ao transporte, entrega, avaliação, inventariação e depósito do referido material. No início de 2020, em especial as maquetes, serão alvo de limpeza e restauro de modo a que estejam disponíveis para o empréstimo, para a consulta e análise de estudiosos mas também do público em geral. Com este espólio pretende-se que seja possível criar melhores condições para a divulgação, interpretação e discussão da Arquitetura como uma Arte essencial e fundamental ao bem-estar e evolução da Humanidade.

A Turma

Até 01/02/2020

€7.0

Uma cidade ferida no coração pelo fenómeno turístico. Durante três dias e três noites vertiginosas, seis personagens conflituam e debatem-se com o fechamento de horizontes que a nova ordem neoliberal lhes impõe. A CIDADE, espaço físico e mental onde estas histórias de vida se encadeiam, cruzam e desaguam, não se apresenta como um mero pano de fundo, pois os seus próprios dramas e dores de crescimento assumem total protagonismo. À urbe cartografável sobrepõem-se geografias sentimentais, retrospecções e projecções que constroem um lugar compósito, multifacetado a ponto de se tornar transversal às cidades ocidentais. Pelo que, a par de uma reflexão acerca de questões que assombram o nosso «aqui e agora», evidenciam-se a pujança e a fragilidade das relações humanas moldadas pelo medo e problematizam-se questões como a identidade, a memória, a dignidade, o amor e a justiça. — Regina Guimarães

Faire La Parole

31/01/2020

Faire la parole é a primeira incursão de Eugène Green no género documental, um retrato sobre os mistérios e as idiossincrasias do território Basco e da forma como este é reformulado pela própria língua, o euskera. Esta língua, de origem obscura senão mesmo mítica, é usada fundamentalmente na oralidade. Ao mesmo tempo que impõe uma visão do mundo, a língua define um país que atravessa fronteiras, conferindo coesão a toda uma região e às suas gentes. O filme centra-se num conjunto de jovens de nacionalidades espanhola e francesa, especialmente em três adolescentes que iniciam uma viagem pelas montanhas e pela sua própria identidade.

Festival de Ilusionismo S. João Bosco

Até 01/02/2020

€0.0

O Clube Ilusionista Fenianos realiza nos dias 31 de Janeiro a 1 de Fevereiro, o Festival de Ilusionismo «S. João Bosco» 2020. O evento que se realiza há 61 anos nesta cidade é aberto ao Porto, seus visitantes e público em geral. Dia 31 de Janeiro, Abertura e Convívio Mágico, no Bar do Clube Fenianos. Dia 1 de Fevereiro, Salão Nobre do Clube - GALA DE ILUSIONISMO