Balleteatro

Até 17/02/2024

3.5 €

Partindo da poesia concreta e experimental portuguesa dos anos 60 e 70, o trabalho incide sobre a composição de partituras coreográficas, que desdobram a visualidade das relações entre as dimensões gestuais e vocais, das poéticas produzidas pelos performers. A dança torna-se uma abertura por entre o despropósito e o concreto, constituindo figuras dinâmicas que espacializam as significações geradas pelas dobras dos gestos e as curvas das palavras. Coreógrafo: Jorge Gonçalves Intérpretes: Alunos do 2º ano de Dança do Balleteatro