Torre de Sonhos

Até 09/01/2022

6 €

De 21 de novembro a 9 de janeiro de 2022, quem visita a Torre e o Museu dos Clérigos vai conhecer a nova exposição temporária denominada “Torre de Sonhos”. A exposição conta com 13 peças - Presépios e representações do Menino Jesus – da autoria do ceramista Delfim Manuel, um dos mais prestigiados ceramistas da atualidade que tão bem combina perícia e delicadeza no manuseamento do barro. O visitante será, ainda, surpreendido com uma projeção de video mapping que acompanha a interpretação de uma fotografia de um presépio de uma grande coleção privada, resultado da parceria com o Atelier OCUBO. Todas as peças em exposição estão disponíveis para venda, cujo valor será revertido na totalidade, pelo autor, ao Serviço de Pediatria do IPO-Porto.

Livraria Lello X Time: What Makes a Nobel?

Até 31/12/2021

A livraria Lello, inaugurou um projeto "inédito" com a revista Time, que destaca autores laureados pela academia sueca que foram capa da revista norte-americana. A instalação artística "Livraria Lello X Time: What Makes a Nobel?", assinada pelo diretor criativo da Time, D.W. Pine, destaca autores que receberam o Nobel, mas também outros que "mereceram honras de primeira página" na Time devido "ao valor `nobelizável` da sua literatura". A instalação é composta por 12 painéis, nos quais constam capas da revista Time, desde Rudyard Kipling, um dos primeiros Nobel da Literatura, a Toni Morrison, galardoada pela Academia Sueca em 1993, bem como outros autores que mereceram destaque de primeira página, como Virgínia Woolf e William Shakespeare.

Ai Weiwei: Entrelaçar

Até 09/07/2022

12 €

Ai Weiwei (Pequim, 1957) é um cidadão global, artista, pensador e ativista que recorre na sua obra a vários modos de análise e produção, dependendo do rumo e dos resultados da investigação que o ocupa no momento. Desde as posições iconoclastas perante a autoridade e a história — que incluíram o tríptico Dropping a Han Dynasty Urn [Deixando cair uma urna da Dinastia Han], 1995, e uma série de fotografias intitulada Study of Perspective [Estudo de perspetiva], (1995 - 2011), em que mostra o dedo do meio a símbolos do poder — a sua produção diversificou-se, passando a abranger arquitetura, arte pública e performance. Para além de considerações de forma e de protesto, atualmente Ai Weiwei mede a nossa existência segundo a relação com as forças económicas, políticas, naturais e sociais, unindo destreza oficinal e criatividade conceptual. Símbolos universais de humanidade e comunidade, como bicicletas, flores ou árvores, assim como os eternos problemas de fronteiras e conflitos são reformulados e potenciados através de instalações, esculturas, filmes e fotografias, ao mesmo tempo que continua a pronunciar-se publicamente sobre questões que acredita serem importantes. Ele é uma das mais proeminentes figuras culturais da sua geração e um exemplo da liberdade de expressão, tanto na China como internacionalmente. As obras em exposição — Iron Roots [Raízes de ferro] (2019) e Pequi Tree [Pequi vinagreiro] (2018 - 2020) — fazem parte de um corpo de trabalho que reflete o interesse e a preocupação de Ai Weiwei com o ambiente e, mais especificamente, com a desflorestação da Mata Atlântica brasileira. A exposição em Serralves, foi concebida especificamente para o Parque e para a sala central do Museu.

Quando a Terra Voltar a Brilhar Verde para Ti

Até 27/02/2022

“Quando a Terra Voltar a Brilhar Verde para Ti”, exposição que “rouba” o título a um verso do poeta alemão Hölderlin, também usado pela dupla de cineastas Jean Marie Straub e Danièle Huillet para o seu filme sobre a morte do filósofo grego Empédocles. No local poderá ser apreciado o famoso Herbário de Júlio Dinis em diálogo com desenhos e esculturas de artistas como Rui Chafes, Ilda David, Teixeira de Pascoaes, Manuel Rosa e Lourdes Castro. Há ainda pinturas murais de José Almeida Pereira, realizadas a partir de obras de artistas ligados ao imaginário romântico, e uma composição sonora original de Jonathan Uliel Saldanha e Pedro Monteiro.

Modus Operandi – Obras da Coleção de Serralves

Até 06/03/2022

12 €

Modus Operandi teve como ponto de partida uma leitura atenta da Coleção de Serralves desde o seu início, com o conjunto de obras adquiridas pela Secretaria de Estado da Cultura antes mesmo da criação da Fundação de Serralves e do Museu, até às incorporações mais recentes. Esta Coleção teve, desde o primeiro momento, a ambição de incluir formas artísticas de vanguarda, de cariz experimentalista e de âmbito internacional, olhando o mundo a partir da especificidade estética e cultural portuguesa dos anos que se seguiram à Revolução de 1974. É notável também o cruzamento e a miscigenação de disciplinas artísticas como as artes plásticas, a música, a performance e a literatura. A presente exposição reúne uma seleção de obras que reflete diversas abordagens experimentais e conceptuais transdisciplinares demonstrativas das atitudes, contextos e preocupações da produção artística desde a década de 1960 até aos nossos dias. O título provém da obra homónima do artista norte-americano Joseph Kosuth, pertencente à Coleção de Arte Contemporânea do Estado (CACE) em depósito em Serralves, que é apresentada na exposição. Modus Operandi aponta para diferentes formas fazer, de operar, nomeadamente de fazer e pensar a arte. Vai justamente neste sentido a apresentação, pela primeira vez, de um portfólio, também pertencente à CACE, em que 30 artistas internacionais homenageiam Joseph Beuys numa demonstração da importância do seu legado na forma de fazer arte, da sua crença de que a arte pode mudar o mundo e de que todos podem ser “artistas”.

Desdesenho

Até 02/01/2022

Desdesenho de Tomás Cunha Ferreira. Curadoria do Núcleo de Programação do Museu da Cidade. Tomás Cunha Ferreira (Lisboa, 1973) combina vários suportes, numa prática em circuito aberto e transfronteiriça – cada trabalho assume-se como protótipo que pode tomar diversas formas, funcionando como possível partitura, notação, poema visual, emblema, padrão, pintura, entre outros. Nessa medida, cada trabalho resulta numa figura híbrida condensada, cuja leitura está em constante transição entre elementos visuais e elementos rítmicos ou sonoros. Sábado, 13 de novembro, pelas 16h30, a Casa Guerra Junqueiro apresenta “Desdesenhos Animados”, performance-concerto com Tomás Cunha Ferreira.

Reservatório

Até 30/07/2023

4 €

A estação 1 revela a história da lacuna, em vez da história do preenchimento. Fragmentos e mais fragmentos são convocados para narrar momentos que indiciam existências deste e de outros tempos. Materiais de distintas épocas convivem com dispositivos audiovisuais e diferentes tipologias de imagem, para nos dar a conhecer como PortuCale, a cidade que deu nome a Portugal, se fez Porto.

Germano Arquivo

Até 16/01/2022

A exposição GERMANO ARQUIVO apresenta uma seleção do amplo espólio que Germano Silva recentemente doou ao Arquivo Histórico Municipal e ocorre na altura em que o historiador, jornalista, bibliófilo e colecionador celebra o seu nonagésimo aniversário, assinalando o vasto e importante legado que há sete décadas vem construindo sobre a história da cidade.

Il Divino Michelangelo & Il Genio Da Vinci

Até 09/01/2022

10.5 €

“Il Divino Michelangelo & Il Genio Da Vinci” é uma viagem abstrata inspirada na criação artística de dois grandes artistas renascentistas: Da Vinci (Leonardo di Ser Piero da Vinci, 1452-1519) e Michelangelo (Michelangelo di Lodovico Buonarroti Simoni, 1475-1564). A viagem começa pelo legado do artista Michelangelo, conhecido como o Divino. Abordamos a sua obra desde a sua génese até às suas influências nas diversas vertentes artísticas - pintura, escultura e arquitetura. Como se fosse designado por Deus para o concretizar, Michelangelo dá forma a várias obras icónicas. No espetáculo revisitamos a mão do fresco d’A Criação de Adão (fresco, 1511), as escultura des David (1501) o guerreiro que enfrentou Golias e de Baco (1596). Há também referências à mitologia romana e referências bíblicas com a obra Pietà (escultura, 1498) e no conjunto de pinturas no Teto da Capela Sistina (1508-1512) onde é possível observar “O Dilúvio” e “O Julgamento Final”. A viagem termina no ponto de partida: n’A Criação de Adão. Segue-se a próxima etapa da viagem, onde contemplamos a mente do inquieto génio Leonardo Da Vinci, num espetáculo visual através dos seus escritos, pesquisas, invenções e estudos, até às suas principais obras, como Homem Vitruviano (1490), as pinturas da Última Ceia (1495-98) e a Mona Lisa (1503-06).

Impressive Monet & Brilliant Klimt

Até 09/01/2022

10.5 €

Impressive Monet é uma reinterpretação das obras de arte de um dos impulsionadores do impressionismo que mostra o que está para além da moldura, através de uma viagem pelo mundo de artista e pela sua busca interminável pela captura da luz. O público será imerso pelo movimento impressionista do artista e envolto pelas linhas e cores que fazem parte do mundo de Monet. Brilliant Klimt traça o percurso pelos aspetos biográficos e pelo legado artístico do artista austríaco através da sua pintura icónica - O Beijo. Este será o fio condutor da viagem pelo trajeto artístico ao mesmo tempo que são exploradas as influências do mundo de Klimt. O público ficará na intimidade de Klimt e sentir-se-á imerso pela arte romântica do artista.

Visita Orientada ao Museu da Cidade

Até 05/10/2022

4 €

De terça a sexta, às 12h30, os monitores do Museu da Cidade orientam visitas com a duração de 30 minutos, mediante a aquisição de bilhete.

La Scortecata

Até 25/11/2021

5 €

O teatro de Emma Dante sempre foi poroso ao sortilégio da fábula. Em “La Scortecata”, a encenadora siciliana apropria-se de “As Duas Velhas”, um dos 50 contos narrados em cinco dias da coletânea de Giambattista Basile, “O Conto dos Contos” (1646), conhecida como “Pentamerone” (por associação ao “Decameron” de Boccaccio). Num palco vazio, duas cadeiras, uma porta e um castelo em miniatura bastam para que dois atores acendam um sonho. Eles encarnam Carolina e Rusinella, as solitárias irmãs quase centenárias que, para iludir o tempo, se encenam como as velhas da fábula. Um rei enamora-se da voz de uma delas, tomando-a por uma jovem, e o preço da ilusão torna-se, literalmente, um assunto de pele: vestir e despir a pele de uma personagem. A reescrita de Emma Dante do conto deste fabulista, modelar para os Grimm ou Charles Perrault, guarda a truculência do dialeto napolitano e evoca o teatro de feira e a “commedia dell’arte”. Hilariante e cruel, “La Scortecata” emana em filigrana uma melancolia que nos fala do tempo que passa, do envelhecimento e da solidão.

Magical Garden

Até 30/12/2021

15 €

Vista o casaco e venha viver o outono no Magical Garden Porto que já conta com mais de 60 mil visitantes! Desenhado tanto para adultos como para os mais pequenos, o espetáculo criado pelo atelier OCUBO promete uma viagem à volta dos quatro cantos do mundo através de um percurso noturno, onde a luz, a cor e os sons ambiente vão fazer o visitante “mergulhar” dentro de uma outra dimensão, através de uma experiência sensorial única. O percurso vai dar destaque a algumas das espécies botânicas já existentes no jardim, juntando 17 instalações luminosas, que incluem mais de 300 lanternas e milhares de lâmpadas LED, assim como hologramas, esculturas de luz e até experiências interativas que vão enriquecer ainda mais esta visita ao Jardim Botânico do Porto. Tendo em conta a situação pandémica, o evento é feito num percurso circular e é seguido um protocolo de regras sanitárias, de acordo com todas as recomendações das autoridades de saúde.