A História do Soldado de Stavinsky/Ramuz

Até 10/10/2021

9 €

A peça A História do Soldado resulta da colaboração do compositor Igor Stravinsky com o escritor suíço C. F. Ramuz durante o período da Primeira Grande Guerra, em 1918. A história é contada por três atores, um grupo de bailarinos e uma banda de sete músicos. Musicalmente, A História do Soldado ocupa um lugar importante na produção de Stravinsky, e na história da música do século XX em geral. Um soldado de regresso à terra em licença de quinze dias, pára para descansar e toca o seu pequeno violino. É interrompido pelo Diabo, disfarçado de velho, que o convence a dar-lhe o violino em troca de um livro mágico que prevê o futuro. O Diabo convida o soldado a ir para casa com ele por três dias para o ensinar a tocar. Quando o soldado finalmente chega à sua aldeia, encontra a namorada casada com outro e toda a gente que o vê, até mesmo a sua mãe, pensa que ele é um fantasma. Percebe que tinha sido enganado – “não foram três dias, foram três anos” – e fica desesperado. Nem mesmo a vasta fortuna que acumulara o consegue animar. Quando o Diabo, desta vez disfarçado de velha, lhe oferece o violino de volta, ele não consegue extrair qualquer som do instrumento. Desgostoso, deita-o fora, rasga o livro e resolve partir. Até que chega a outro país, onde vive um Rei, que tem uma filha presa numa estranha melancolia. O Rei decretara que qualquer homem que a conseguisse curar poderia tomar a sua mão em casamento. O soldado decide tentar a sua sorte, e dirige-se audaciosamente para o palácio. Aí encontra um concorrente: o Diabo, disfarçado de violinista virtuoso. Mas consegue vencê-lo num jogo de carta e perdendo, propositadamente, toda a sua fortuna ganha de forma desonesta. Então descobre que consegue tocar novamente o violino e, melhor ainda, o som da sua música reanima a Princesa. O Diabo, finalmente na sua figura, tenta intervir, mas é forçado a dançar ao som do violino até cair exausto. O Soldado e a Princesa estão alegremente unidos, mas o Diabo jura vingança.

Livraria Lello X Time: What Makes a Nobel?

Até 31/12/2021

A livraria Lello, inaugurou um projeto "inédito" com a revista Time, que destaca autores laureados pela academia sueca que foram capa da revista norte-americana. A instalação artística "Livraria Lello X Time: What Makes a Nobel?", assinada pelo diretor criativo da Time, D.W. Pine, destaca autores que receberam o Nobel, mas também outros que "mereceram honras de primeira página" na Time devido "ao valor `nobelizável` da sua literatura". A instalação é composta por 12 painéis, nos quais constam capas da revista Time, desde Rudyard Kipling, um dos primeiros Nobel da Literatura, a Toni Morrison, galardoada pela Academia Sueca em 1993, bem como outros autores que mereceram destaque de primeira página, como Virgínia Woolf e William Shakespeare.

Ai Weiwei: Entrelaçar

Até 09/07/2022

12 €

Ai Weiwei (Pequim, 1957) é um cidadão global, artista, pensador e ativista que recorre na sua obra a vários modos de análise e produção, dependendo do rumo e dos resultados da investigação que o ocupa no momento. Desde as posições iconoclastas perante a autoridade e a história — que incluíram o tríptico Dropping a Han Dynasty Urn [Deixando cair uma urna da Dinastia Han], 1995, e uma série de fotografias intitulada Study of Perspective [Estudo de perspetiva], (1995 - 2011), em que mostra o dedo do meio a símbolos do poder — a sua produção diversificou-se, passando a abranger arquitetura, arte pública e performance. Para além de considerações de forma e de protesto, atualmente Ai Weiwei mede a nossa existência segundo a relação com as forças económicas, políticas, naturais e sociais, unindo destreza oficinal e criatividade conceptual. Símbolos universais de humanidade e comunidade, como bicicletas, flores ou árvores, assim como os eternos problemas de fronteiras e conflitos são reformulados e potenciados através de instalações, esculturas, filmes e fotografias, ao mesmo tempo que continua a pronunciar-se publicamente sobre questões que acredita serem importantes. Ele é uma das mais proeminentes figuras culturais da sua geração e um exemplo da liberdade de expressão, tanto na China como internacionalmente. As obras em exposição — Iron Roots [Raízes de ferro] (2019) e Pequi Tree [Pequi vinagreiro] (2018 - 2020) — fazem parte de um corpo de trabalho que reflete o interesse e a preocupação de Ai Weiwei com o ambiente e, mais especificamente, com a desflorestação da Mata Atlântica brasileira. A exposição em Serralves, foi concebida especificamente para o Parque e para a sala central do Museu.

Errata - Uma Revisão Feminista à História do Design Gráfico Português

Até 24/10/2021

O Museu da Cidade inaugura a exposição “Errata – Uma Revisão Feminista à História do Design Gráfico Português”. Com curadoria de Isabel Duarte e Olinda Martins, a mostra pode ser visitada no Foyer do Auditório da Biblioteca Municipal Almeida Garrett. Esta exposição procura fazer uma revisão sobre o papel das mulheres na história do design. Um projeto de investigação em desenvolvimento que pretende dar resposta a este “esquecimento” através de publicações, podcasts e apresentações públicas. A exposição apresentará o trabalho de mulheres designers do século XX que estão ausentes na história do design português e, ao fazê-lo, lançará um olhar crítico sobre os mecanismos ainda presentes que consentem e propagam essas omissões. A partir da recolha, documentação e apresentação dos trabalhos de designers gráficas, a exposição irá mostrar mulheres que ficaram à margem da história do design. Uma “errata” para corrigir uma omissão presente na história do Design.

Serralves em Luz

Até 07/11/2021

12.5 €

Descubra a grande exposição Serralves em Luz, visitando o Parque de Serralves em horário noturno, a partir das 20h!⁠ O Serralves em Luz, transforma pela primeira vez todo Parque de Serralves numa impactante exposição de luz, proporcionando a fruição noturna deste magnífico espaço através de uma experiência surpreendente. Esta grande exposição ao ar livre apresenta uma enorme dinâmica de luz e cor, criando uma atmosfera mágica que se estende a todo o Parque, dando a descobrir deslumbrantes novas perspetivas em torno deste notável património natural e arquitetónico. Recorrendo a variadas fontes de luz, como o LED, o halogénio, o hmi, o laser ou o vídeo, são criadas ambiciosas experiências visuais e sensoriais que transportam o visitante em diferentes perceções entre o real e o imaginário, construindo-se diálogos estáticos ou em movimento, através de 24 instalações ao longo de um percurso de 3km que atravessa todo o Parque. A introdução da cor, do som e de inovadores efeitos visuais permitem ao público vivenciar o Parque de uma forma muito distinta do seu estado habitual. As instalações luminosas transformam o espaço em ambientes imersivos que nos transportam para as diferentes estações do ano, que permitem a conexão com diversos elementos naturais do Parque – como a água ou a vegetação - e que nos levam a experienciar, de uma forma original, manifestações luminosas da natureza como o sol, a lua, os reflexos, o arco-íris ou as auroras boreais. O surpreendente percurso de iluminações está pensado num formato de sentido único, passando por diversos pontos de interesse do Parque e oferecendo ao público uma viagem sensorial muito variada e completa. Em paralelo a esta grande exposição noturna e ao ar livre, decorrerá um programa de visitas orientadas e de workshops de fotografia, que complementa e realça a vivência das diferentes dimensões em presença: luz, natureza, arte e arquitetura. Visite o Serralves em Luz e desfrute de uma noite verdadeiramente deslumbrante, em total segurança.