Alberto Giacometti – Peter Lindbergh. Capturar o Invisível

Até 24/09/2021

14 €

“Se me perguntassem quais foram os cinco dias mais bonitos da minha vida, aquele com as esculturas de Giacometti seria certamente um dos primeiros três”. Foi assim que Peter Lindbergh descreveu o dia em que foi convidado a fotografar o espólio de Alberto Giacometti, na Fundação do artista em Paris. O resultado deu origem a uma exposição conjunta, das esculturas de Giacometti e das fotografias de Lindbergh. É esta exposição que agora chega ao MMIPO – Museu e Igreja da Misericórdia do Porto. Até agora, esta exposição conjunta apenas foi exposta no Instituto Giacometti em Paris. É um diálogo íntimo entre a obra de Alberto Giacometti (1901 – 1966), um dos mais aclamados escultores do séc. XX e a fotografia de Peter Lindbergh, que desvenda uma notória similitude na forma como representam a realidade. Esta iniciativa é também um tributo ao lendário fotógrafo de moda que morreu prematuramente em setembro de 2019 e que esteve totalmente envolvido no processo de trazer a exposição para o Porto. A exposição acolhe mais de 110 obras, incluindo esculturas em bronze e desenhos de Alberto Giacometti, bem como fotografias de Peter Lindbergh à coleção. Numa sala exclusiva, estarão em exibição alguns dos mais icónicos retratos da carreira do fotógrafo de moda, entre os quais os protagonizados por Naomi Campbell, Uma Thurman e Julianne Moore.

Jorge Molder

Até 03/10/2021

Esta exposição, apresentada no mezanino da Biblioteca de Serralves, reúne uma seleção de obras de Jorge Molder (Lisboa, 1947) feita a partir de um conjunto mais vasto existente no acervo de Serralves. São apresentadas fotografias das séries “T. V.” (1995), “La Reine vous salue” (2001), “Tangram” (2004/08), “Call for Papers” (2013) e ainda “Zizi” (2013). O trabalho de Molder é conhecido sobretudo pelas suas fotografias a preto e branco, em que o artista se autofotografa (apenas o rosto, corpo inteiro ou as mãos) vestindo habitualmente fato escuro e camisa branca, ideia que é contrariada pelas duas séries mais recentes. As referências provenientes da literatura, do cinema, da música ou da história da arte, bem como o quotidiano, vida e a sua natureza incerta e imprevisível, são fundamentais na sua obra, na medida em que podem constituir o ponto a partir do qual se pode derivar e construir algo. Neste sentido, e pelo facto da exposição ter lugar na Biblioteca, a mostra é complementada com um conjunto de referências bibliográficas importantes para o artista disponíveis para consulta e com a apresentação de alguns dos seus livros e catálogos de exposições.

Livraria Lello X Time: What Makes a Nobel?

Até 31/12/2021

A livraria Lello, inaugurou um projeto "inédito" com a revista Time, que destaca autores laureados pela academia sueca que foram capa da revista norte-americana. A instalação artística "Livraria Lello X Time: What Makes a Nobel?", assinada pelo diretor criativo da Time, D.W. Pine, destaca autores que receberam o Nobel, mas também outros que "mereceram honras de primeira página" na Time devido "ao valor `nobelizável` da sua literatura". A instalação é composta por 12 painéis, nos quais constam capas da revista Time, desde Rudyard Kipling, um dos primeiros Nobel da Literatura, a Toni Morrison, galardoada pela Academia Sueca em 1993, bem como outros autores que mereceram destaque de primeira página, como Virgínia Woolf e William Shakespeare.

Ai Weiwei: Entrelaçar

Até 09/07/2022

12 €

Ai Weiwei (Pequim, 1957) é um cidadão global, artista, pensador e ativista que recorre na sua obra a vários modos de análise e produção, dependendo do rumo e dos resultados da investigação que o ocupa no momento. Desde as posições iconoclastas perante a autoridade e a história — que incluíram o tríptico Dropping a Han Dynasty Urn [Deixando cair uma urna da Dinastia Han], 1995, e uma série de fotografias intitulada Study of Perspective [Estudo de perspetiva], (1995 - 2011), em que mostra o dedo do meio a símbolos do poder — a sua produção diversificou-se, passando a abranger arquitetura, arte pública e performance. Para além de considerações de forma e de protesto, atualmente Ai Weiwei mede a nossa existência segundo a relação com as forças económicas, políticas, naturais e sociais, unindo destreza oficinal e criatividade conceptual. Símbolos universais de humanidade e comunidade, como bicicletas, flores ou árvores, assim como os eternos problemas de fronteiras e conflitos são reformulados e potenciados através de instalações, esculturas, filmes e fotografias, ao mesmo tempo que continua a pronunciar-se publicamente sobre questões que acredita serem importantes. Ele é uma das mais proeminentes figuras culturais da sua geração e um exemplo da liberdade de expressão, tanto na China como internacionalmente. As obras em exposição — Iron Roots [Raízes de ferro] (2019) e Pequi Tree [Pequi vinagreiro] (2018 - 2020) — fazem parte de um corpo de trabalho que reflete o interesse e a preocupação de Ai Weiwei com o ambiente e, mais especificamente, com a desflorestação da Mata Atlântica brasileira. A exposição em Serralves, foi concebida especificamente para o Parque e para a sala central do Museu.

Errata - Uma Revisão Feminista à História do Design Gráfico Português

Até 24/10/2021

O Museu da Cidade inaugura a exposição “Errata – Uma Revisão Feminista à História do Design Gráfico Português”. Com curadoria de Isabel Duarte e Olinda Martins, a mostra pode ser visitada no Foyer do Auditório da Biblioteca Municipal Almeida Garrett. Esta exposição procura fazer uma revisão sobre o papel das mulheres na história do design. Um projeto de investigação em desenvolvimento que pretende dar resposta a este “esquecimento” através de publicações, podcasts e apresentações públicas. A exposição apresentará o trabalho de mulheres designers do século XX que estão ausentes na história do design português e, ao fazê-lo, lançará um olhar crítico sobre os mecanismos ainda presentes que consentem e propagam essas omissões. A partir da recolha, documentação e apresentação dos trabalhos de designers gráficas, a exposição irá mostrar mulheres que ficaram à margem da história do design. Uma “errata” para corrigir uma omissão presente na história do Design.

Leonardo da Vinci – Observa, Questiona e Experimenta

Até 06/10/2021

Se de todas as coisas que admiramos de Leonardo da Vinci tivéssemos de destacar uma, talvez fosse a capacidade de antecipar-se ao seu tempo, em praticamente tudo o que fazia. Pintura, engenharia, anatomia, geometria e botânica são apenas algumas das disciplinas nas quais a sua marca ainda perdura e que, mais de 500 anos volvidos, estimulam a nossa imaginação… Aproximar o pensamento de Leonardo da Vinci e a sua atitude perante a vida para fomentar a curiosidade, o espírito crítico e o desejo de saber através da observação e das experiências constituem alguns dos objetivos desta exposição itinerante, que poderá ser apreciada a céu aberto, na Praça de Gomes Teixeira ("Praça dos Leões"), entre 8 de setembro e 6 de outubro. Esta experiência de descoberta, com base na essência do seu pensamento, transportado para os nossos dias, é o mote de “Leonardo da Vinci – Observa, Questiona e Experimenta”. Além de maquetes em escala de algumas das suas criações, o público poderá observar ainda e interagir com alguns dos engenhos concebidos por da Vinci através de experiências interativas e com recurso a realidade aumentada.

O desenho da vida na obra de Manuel Marques de Aguiar

Até 30/09/2021

3 €

A obra de Manuel Marques de Aguiar configura um contributo singular no contexto da produção arquitetónica e urbana nacional. Ao criar lugares efetivos na melhoria das vivências humanas, Marques de Aguiar acolhe e partilha o tempo como elemento mediador do espaço, quer nas respostas imediatas quer nas intenções de longo prazo. Esta relação entre a mudança das vivências e os processos de apropriação da arquitetura sintetiza-se na criação e construção de lugares que resgatam valores sobre os quais importa voltar a olhar, em que o pensamento crítico é inerente a um entendimento da construção colaborativa do território. A exposição O desenho da vida na obra de Manuel Marques de Aguiar, com curadoria de David Leite Viana, revela projetos, desenhos e memórias de um intenso processo de pesquisa, às vezes intuitivo, outras vezes sistemático, orientado para a definição de valores e prioridades de transformação do espaço. Patente ao público na Casa-Atelier Marques da Silva até 30 de setembro de 2021, esta é a primeira exposição realizada após a doação do acervo de Manuel Marques de Aguiar à Fundação Marques da Silva. A mostra, desenvolvida com o apoio da família, abrange um largo arco temporal, que se inicia com registos do seu tempo de formação em Paris, na década de 50, e se prolonga até aos primeiros anos do século XXI.

Serralves em Luz

Até 07/11/2021

12.5 €

Descubra a grande exposição Serralves em Luz, visitando o Parque de Serralves em horário noturno, a partir das 20h!⁠ O Serralves em Luz, transforma pela primeira vez todo Parque de Serralves numa impactante exposição de luz, proporcionando a fruição noturna deste magnífico espaço através de uma experiência surpreendente. Esta grande exposição ao ar livre apresenta uma enorme dinâmica de luz e cor, criando uma atmosfera mágica que se estende a todo o Parque, dando a descobrir deslumbrantes novas perspetivas em torno deste notável património natural e arquitetónico. Recorrendo a variadas fontes de luz, como o LED, o halogénio, o hmi, o laser ou o vídeo, são criadas ambiciosas experiências visuais e sensoriais que transportam o visitante em diferentes perceções entre o real e o imaginário, construindo-se diálogos estáticos ou em movimento, através de 24 instalações ao longo de um percurso de 3km que atravessa todo o Parque. A introdução da cor, do som e de inovadores efeitos visuais permitem ao público vivenciar o Parque de uma forma muito distinta do seu estado habitual. As instalações luminosas transformam o espaço em ambientes imersivos que nos transportam para as diferentes estações do ano, que permitem a conexão com diversos elementos naturais do Parque – como a água ou a vegetação - e que nos levam a experienciar, de uma forma original, manifestações luminosas da natureza como o sol, a lua, os reflexos, o arco-íris ou as auroras boreais. O surpreendente percurso de iluminações está pensado num formato de sentido único, passando por diversos pontos de interesse do Parque e oferecendo ao público uma viagem sensorial muito variada e completa. Em paralelo a esta grande exposição noturna e ao ar livre, decorrerá um programa de visitas orientadas e de workshops de fotografia, que complementa e realça a vivência das diferentes dimensões em presença: luz, natureza, arte e arquitetura. Visite o Serralves em Luz e desfrute de uma noite verdadeiramente deslumbrante, em total segurança.

Os Músicos do Tejo e Eduardo Paniagua - 500 anos da viagem de Magalhães

20/09/2021

16 €

O Coliseu Porto Ageas recebe o concerto comemorativo dos 500 anos da primeira viagem de circum-navegação. Um concerto que junta em palco os portugueses Os Músicos do Tejo e os espanhóis Música Antigua numa aventura musical, com a direção musical d’ Os Músicos do Tejo e de Eduardo Paniagua, músico e mestre em música antiga medieval. Este concerto conta ainda com a participação do fadista Marco Oliveira. O repertório do concerto apresenta obras que Fernão de Magalhães e os seus marinheiros terão ouvido em viagem por mares e portos, sobre estrelas, heróis, amores e nostalgia, a partir dos “vilancicos” e romances dos cancioneiros hispânicos do final do século XV e início do século XVI. Canções que relatam emocionalmente a grande aventura marítima que mudou para sempre a perceção do mundo, os atos heroicos dos marinheiros que a realizaram pelos portos e mares que atravessaram. Um espetáculo comentado, com apresentação e contextualização histórica por Juan Marchena, que comemora a viagem promovida pela Coroa de Espanha e comandada pelo navegador Português Fernão de Magalhães (1480-1521), nomeado por Carlos I, com o objetivo de encontrar uma nova rota para as Ilhas das Especiarias. Com uma forte componente de multimédia da autoria de Miguel Osório/ La Valise d’Images, o espetáculo que agora chega ao Coliseu Porto Ageas é distinto e original. Uma coprodução com a Transiberia Productions, em parceria com a Estrutura de Missão do V Centenário da Primeira Viagem de Circum-Navegação, e com direção artística de Carlos Gomes.