International Science and Engineering Fair (ISEF) decorre de 18 a 22 de maio em formato virtual e gratuito

18/05/2020

Decorre entre 18 e 22 de Maio a edição deste ano da Virtual Regeneron ISEF 2020 - International Science and Engennering Fair, que este ano se realiza em formato virtual. Com um ambicioso programa dedicado à ciência e um conjunto de participantes de renome, entre os quais vários prémios nobel, o evento irá por em debate a comunidade científica sob diversos temas da atualidade com tópicos que variam do COVID-19 ao empreendedorismo feminino STEM. A edição deste ano tem enorme relevância porque permite o acesso gratuito a todos os jovens neste grande evento da ciência.A Fundação da Juventude convida-vos a fazer a inscrição no evento em https://isef.6connex.com/event/virtual/login. Este ano iremos levar a este grande concurso internacional dois projetos: “Ondas Gravitacionais: Aplicação de Múltiplos Métodos Estatísticos e Transformada de Fourier” dos jovens estudantes João Dinis Álvares; Ana Raquel Moreira da Escola Secundária Dona Maria (Braga) e o projeto “Firebot” dos jovens estudantes Nelson Salgado, Maria de Fátima Guimarães e Carla Cunha da Escola Profissional de Felgueiras. Esta participação é também virtual. Ao longo da semana iremos acompanhar a programação do ISEF e fazer duas talks com os participantes nos dois projetos para dar a conhecer o talento destes jovens cientistas portugueses. Aproveitamos para informar que ainda estão a decorrer até ao dia 5 de Junho as candidaturas à 28ª edição do Concurso Nacional para Jovens Cientistas e a 3ª edição do Concurso Nacional Jovens Empreendedores. A toda a Comunidade Científica, Alunos, Professores e Escolas fica este convite para que se juntem a nós e aproveitem estas iniciativas. Siga-nos nas nossas redes sociais e participe neste grande encontro da ciência que é a Virtual Regeneron ISFE 2020 Fair.

Macbeth

20/05/2020

Macbeth foi escrito por William Shakespeare provavelmente em 1606, num período particular da sua vida que veria nascer as suas grandes tragédias – Júlio César, Hamlet, Lear, Otelo, Timon de Atenas. Para o enredo dramático de MACBETH, Shakespeare encontra inspiração nas crónicas de Holinshed sobre factos ocorridos na Escócia dos séc. X e XI. E, de uma forma genial, cruza na ação da peça dois factos históricos reais: o assassínio do rei Duff por Donwald (967) e o assassínio de Duncan por Macbeth e o seu posterior reinado (1040/1057). Ao fim de cerca de dois milénios e meio de história do Teatro e, com a devida veneração pelas grandes tragédias gregas, Macbeth é ainda a grande obra trágica universal que, de uma forma essencial, do ponto de vista narrativo, nos expõe e faz refletir sobre o amor e o poder como impulsionadores dos destinos do Homem. A saga implacável do herói trágico Macbeth, tem ressonâncias inquietantes com o tempo que vivemos. É essa dimensão política da obra, que a torna ainda mais intemporal. Macbeth mata por amor, por ânsia de poder e por crença no sobrenatural. E assim Shakespeare celebra nesta obra uma poética da morte e do amor, conduzindo-nos inexoravelmente pelos labirintos interiores do ser humano através de uma linguagem intensamente poética.