Feira dos Passarinhos

Até 28/12/2020

Venda de aves e outros animais, enquanto animais de companhia, assim como gaiolas, comedouros, bebedouros, poleiros, alimentação e demais artigos necessários para o alojamento, manutenção e criação das espécies de animais.

Feira de Numismática e Filatelia

Até 28/12/2020

Local de encontro de vários colecionadores, esta feira tem como objeto a venda e troca de moedas, postais, selos e outros objetos colecionáveis afins. Realiza-se debaixo das arcadas dos prédios que rodeiam a praça.

Feira da Pasteleira

Até 31/12/2020

Venda de diversos produtos, nomeadamente produtos alimentares, roupa, calçado e têxteis lar. Legalizada e relocalizada em 2019. Localização: Rua Bartolomeu Velho

Mercadinho da Ribeira

Até 31/12/2020

Destina-se à venda de atoalhados bem como outros produtos de promoção turística.

Porto Legends - The Underground Experience

Até 31/03/2020

15 €

"Porto Legends: The Underground Experience" é um evento audiovisual que vai dar a conhecer dez lendas relacionadas com a história da cidade do Porto. O espetáculo será apresentado de terça-feira a domingo, entre as 10 e as 19 horas, nas Furnas da Alfândega do Porto. A mais recente criação do ateliê português OCUBO, especialista na realização de projetos de vídeo mapping, estreia nas Furnas da Alfândega do Porto. O espetáculo vai dar a conhecer, através de uma experiência imersiva, dez lendas relacionadas com a história da cidade do Porto, inspiradas no livro do historiador Joel Cleto, "As Lendas do Porto". O projeto Porto Legends - The Underground Experience contou com 70 atores, 120 figurinos e 30 artistas de vídeo, recorrendo a 50 projetores de vídeo de alta definição, estrategicamente instalados nas paredes, no chão, nos tetos, nas colunas e nos arcos das Furnas da Alfândega do Porto. As dez lendas que constituem o espetáculo são narradas por Pedro Abrunhosa, na versão portuguesa, e pelo galardoado ator britânico Jeremy Irons, na versão inglesa. Ao longo de 45 minutos, serão contadas lendas como as de Pedro Cem, Zé do Telhado, Barrão Forrester, as famosas tripas à moda do Porto, o mistério do Tesouro da Serra do Pilar; o violento Cerco do Porto, o Terramoto de 1755 ou a do fantasma da Estação de São Bento. O público é convidado a circular livremente durante o espetáculo, numa experiência de 360º inédita a nível mundial.

Aulas de skate

Até 29/03/2020

Nos próximos três fins de semana, há sessões para iniciantes no novo Skate Park do Porto. O Skate Park do Porto, integrado desde o passado mês de novembro no Parque Desportivo de Ramalde, vai receber aulas gratuitas aos sábados e domingos. A atividade decorre de manhã, entre as 10 e as 12 horas. A participação está sujeita a inscrição. Os interessados em dar os primeiros passos a modalidade devem inscrever-se através do email desporto@agoraporto.pt, até à quinta-feira anterior à sessão. Há 20 vagas por aula.

Urban Market, Meet Designers & Makers

Até 01/03/2020

O URBAN MARKET volta ao panorama da cidade do Porto! Em Fevereiro lançamos duas edições do Urban Market, em dois espaços emblemáticos da cidade. A primeira edição, realiza-se de 14 a 16 de fevereiro no Hard Club, e a segunda, de 28 de fevereiro a 1 de março no Ateneu Comercial do Porto. Em 2020 o Urban Market continua a apoiar o projeto “Ambulance for Hearts”. A um mês de se aventurarem por caminho terrestre até à Guiné Bissau, o projeto estará presente na primeira edição do ano do Urban Market, de 14 a 16 de fevereiro no Hard Club. Ao adquirirem uma das suas bonitas t-shirts, o público estará a contribuir para esta causa. O "Ambulance for Hearts" tem como objetivo comprar uma carrinha, enchê-la de coisas boas, mas maioritariamente de leite de substituição materno do tipo 1, 2 e 3 e levá-la por via terreste até à Guiné-Bissau. A carrinha e o seu recheio serão doadas à "Casa da Mamé Ussai", uma casa que acolhe crianças sós de Catió, uma cidade que se localiza no sul da Guiné-Bissau. Não percam nos dias 16 de Fevereiro e 1 de Março, a partir das 14h30 e até às 19h, os hair stylists do Projecto [Z], um atelier Vegan de Cabelos, estabelecido no Bonfim - Porto. A Inês Zózimo (a mente por trás do projeto) e o Emanuel Alegria, estarão de tesoura em riste para dar novos looks aos seus cabelos. As sonoridades brasileiras invadem o salão nobre do Ateneu Comercial do Porto. Felipe Vargas, músico brasileiro que atua entre o Samba e o Rocknroll, carregando no repertório, além de originais, canções brasileiras de todos os tempos sobe ao palco dia 29 de Fevereiro às 16h30. O Urban Market tem entrada livre e conta com uma seleção de 30 marcas de design de autor e de edição limitada, marcas 100% Portuguesas, nas áreas da joalharia, design de interiores, ilustração, pintura, design de moda, bem-estar e criança, sem esquecer a gastronomia com cabazes personalizados.

Invicta.Música.Filmes

Até 18/02/2020

Numa boa sessão de cinema, antes do advento dos filmes sonoros, não podia faltar a música tocada ao vivo. Essa experiência é não apenas revivida como atualizada nos cine-concertos propostos na 8ª edição do Invicta.Música.Filmes, com música nova escrita para dois filmes mudos recentemente recuperados. J’Accuse, um filme pacifista do cineasta francês Abel Gance, é acompanhado por uma banda sonora criada pelo seu compatriota Philippe Schoeller e interpretada em estreia nacional pela Orquestra Sinfónica. Dias depois, o Remix Ensemble e a Digitópia apresentam o desafio que a Casa da Música colocou ao compositor portuense Igor C. Silva: criar uma partitura para um filme mudo português de 1927, o policial O Táxi Nº9297, de Reinaldo Ferreira, jornalista mais conhecido como Repórter X. As bandas sonoras de alguns dos filmes mais conhecidos da história preenchem o concerto da Banda Sinfónica Portuguesa, incluindo música de Nino Rota, Ennio Morricone e John Williams. A abertura do festival é uma fascinante Viagem à Lua através da objetiva de um pioneiro do cinema francês, Georges Méliès, uma ficção científica de 1902 também ela apresentada num cine-concerto com música nova criada aqui na Casa da Música pelos membros da Digitópia.

Banda Sinfónica Portuguesa

16/02/2020

10 €

Autor de variadíssimas bandas sonoras de filmes que foram verdadeiros êxitos de bilheteira, John Williams tornar-se-ia uma figura fundamental da história de Hollywood, especialmente pela parceria com dois realizadores icónicos: George Lucas e Steven Spielberg. Desta frutífera e imensa colaboração, a Banda Sinfónica Portuguesa selecionou temas facilmente identificáveis e poderosos do cinema, presentes em filmes como Jurassic Park, Catch me if you can ou ainda na épica trilogia Star Wars. Não menos famosa é a colaboração entre os dois génios italianos Fellini e Nino Rota, cúmplices em La Strada, uma das obras-primas do cinema italiano. Há ainda tempo para recordar a magia do Cinema Paradiso através da inesquecível banda sonora de Ennio Morricone e lembrar o mítico fora-da-lei que ficou imortalizado como o Príncipe dos Ladrões, Robin Hood.

Inventória de Ana Jotta

Até 08/05/2020

7 €

Entramos na casa. Está vazia. O dono acabou de se mudar ou então está prestes a mudar-se. Nenhuma cama, nenhuma mobília, nenhuns livros. Vêem-se uns quantos objetos, três candeeiros, algumas decorações, uma pequena mesa de jogos e um sem-número de estranhos rabiscos nas paredes. “Viver é deixar traços”, diz Walter Benjamin quando discute o nascimento do interior doméstico. “No interior, eles são acentuados. É criada uma abundância de coberturas e protetores, revestimentos e caixas, nos quais os traços dos objetos de uso quotidiano ficam gravados. Os traços do ocupante também deixam a sua marca no interior. A história de detetives que segue esses traços ganha forma. (…) Os criminosos dos primeiros romances policiais não são nem cavalheiros nem apaches, mas membros da burguesia.” A obra de Jotta está inseparavelmente ligada ao interior – à sua casa, que como uma grande obra de arte se assemelha a uma construção algures entre o Merzbau de Schwitters, o Wunderkammer, ou a casa-atelier de Dieter Roth, repleta de coisas e obras de arte, onde é impossível distinguir o estatuto de cada uma delas, e onde também é quase impossível movermo-nos, dominada que ela está por um total horror vacui. Na exposição INVENTÓRIA, Jotta constrói um cenário invertido: o amor vacui e o vazio tornam-se o tema principal desta instalação radical. Como a artista sugere na “folha de sala” que escreveu para acompanhar a exposição, entramos num “programa de filmes à la Salle Noir” em quatro atos, um enigmático cenário de filmagens com uma última contredanse dançada num baile desconhecido, talvez na Villa Santo Sospir, talvez na Casa São Roque. Local: Casa São Roque - Centro de Arte, Rua São Roque da Lameira nº2092

Boris Charmatz - 10000 gestes

Até 16/02/2020

12 €

Uma floresta coreográfica em que nenhum gesto é jamais repetido, imagina Boris Charmatz, homenageando a própria natureza efémera da dança. Uma chuva de movimentos, que poderia ter sido gerada por algoritmos matemáticos, mas que aqui se faz de maneira artesanal, a partir dos corpos dos intérpretes. Sendo absolutamente subjetivo, cada gesto é mostrado apenas uma vez, desaparecendo depois de executado. Depois de ter ocupado o Mosteiro de São Bento da Vitória com “Manger” em 2016, o coreógrafo francês que surpreendeu o átrio principal do MoMA, em Nova Iorque, e a Turbine Hall na Tate Modern, em Londres, com o Museu da Dança, dá continuidade a este projeto. “10000 gestes” pode fazer parte do acervo deste anti-museu coreográfico, na constituição de uma anti-coleção, já que nenhum coreógrafo se arriscaria a incorporar tantos gestos na sua notação, nem esta obra poderia ser alguma vez compreendida de outro modo que não a partir da sua própria ideia. Sem hipótese de preservação possível, esse gesto irrepetível parece alcançar o espectador de um modo hipnótico e até meditativo. É que o caos visual de um movimento que nunca é completado por outro dá uma ilusão de imobilidade. Nesta peça é impossível apertar a mão de alguém.

Cordis

16/02/2020

10 €

Reflexo é o trabalho mais recente de Cordis, o duo invulgar de Paulo Figueiredo (piano) e Bruno Costa (guitarra portuguesa). Com 12 anos de actividade, a formação apresenta mais um disco com composições originais, sucessor de Cordis (2008), Cordis2 (2011) e Terceiro (2015) – este último gravado com o Quarteto de Cordas Arabesco. Nascido em 2008, Cordis cruza piano e guitarra portuguesa com paixão e intensidade, procurando uma nova abordagem estética através de um constante diálogo. O resultado é uma fusão surpreendente de raízes e modernidade, tradição e inovação, traduzidos em pinturas musicais capazes de conduzir o público por novas e apaixonantes viagens.