Fonte: O Duelo by Heinrich Von Kleist, All rights reserved

Sobre

O sentido desta sentença divina continua a ser obscuro para ti?

A propósito da novela O Duelo (1811), de Heinrich von Kleist, que traduziu e agora adaptou para a encenação de Carlos Pimenta, diz Maria Filomena Molder: “Nem clássico nem romântico, Kleist é o primeiro moderno entre os poetas alemães.” Um dos autores prediletos de Kafka, mas renegado por Goethe e Hegel, que repudiavam o seu “teatro invisível”, Kleist criou uma obra em desajuste com a sua época e as suas leis. História romântica de recorte policial passada no fim do século XIV, em O Duelo a honra e a sinceridade do triângulo de protagonistas parece decidir-se no confronto que lhe dá título, onde será o juízo de Deus a conceder o triunfo à espada que defenda a verdade. Mas nada é o que parece, nem Deus é tão preciso como seria de esperar. Peça sobre o cálculo e o acaso, o fracasso e o sucesso, é regida pela vertigem de uma justiça poética e conduzida pela voz e corpo do ator Miguel Loureiro. No fecho da carreira de O Duelo, Maria Filomena Molder, José Bragança de Miranda e José Gomes Pinto refletem sobre as potencialidades deste texto para iluminar a vida contemporânea na conferência Kleist: o(s) sentido(s) da justiça.

Quando

Sábado, 10 Julho 2021 19:00-20:00

Sexta-feira, 9 Julho 2021 19:00-20:00

Quinta-feira, 8 Julho 2021 19:00-20:00

Quarta-feira, 7 Julho 2021 19:00-20:00

Domingo, 4 Julho 2021 16:00-17:00

Sábado, 3 Julho 2021 19:00-20:00

Sexta-feira, 2 Julho 2021 19:00-20:00

Quinta-feira, 1 Julho 2021 19:00-20:00

Galeria

  • Preço
    10€
  • Promotor
    Teatro Nacional São João | Centro Cultural de Belém
  • Audiência Alvo
    Adultos (19-64)Séniores (>65)
  • Visit Porto

    2021-07-01