A Porto Finn Gold Cup 2021 vai juntar 80 velejadores da mais antiga classe do circuito olímpico de vela. Além do título de Campeão do Mundo de Finn, a prova, que será disputada ao largo das praias do Porto, Matosinhos e Vila Nova de Gaia, vai ainda atribuir as últimas vagas de qualificação para os Jogos Olímpicos de Tóquio.


Ao longo de uma semana, entre 5 e 12 de maio, a Frente Atlântico do Porto servirá de campo de regata à mais antiga das classes do circuito olímpico de vela. Organizada pela BBDouro e pela Douro Marina, com o apoio dos municípios de Porto, Matosinhos e de Vila Nova de Gaia, a Porto Finn Gold Cup 2021 tem o duplo aliciante de definir o campeão do mundo da classe Finn e atribuir as últimas duas vagas de qualificação (a última europeia e a última africana) para os Jogos Olímpicos de Tóquio.


Na luta pela vaga europeia vão estar envolvidas 15 seleções, entre as quais as favoritas Croácia, França, Espanha, Polónia e Suíça. Na luta pela vaga africana, Tunísia, Namíbia e África do Sul perfilam-se como as principais candidatas.


Esta é apenas a terceira vez, nos 65 anos de história da Finn Gold Cup, que esta competição se realiza em Portugal. Nas últimas duas ocasiões, em 1970 e em 2017, a prova foi disputada em Cascais.


No Porto são esperados 80 velejadores, de 33 nacionalidades, acompanhados por 50 treinadores. A principal figura será o inglês Gilles Scott, o medalhado nos Jogos Olímpicos do Rio 2016 e vencedor de quatro títulos mundiais nesta classe. Portugal estará representado por quatro velejadores.


A prova será disputada em dois campos de regatas: o campo norte, em frente às praias do Porto e de Matosinhos, e o campo sul, ao largo das praias de Vila Nova de Gaia.


“Num momento em que enfrentamos tantas adversidades, conseguirmos promover esta prova é também uma mensagem de confiança e esperança no futuro. É um sinal de que há vida além da pandemia”, afirmou Luísa, Salgueiro, presidente da Câmara Municipal de Matosinhos, defendendo que “cultura e desporto devem estar na primeira linha desta retoma”.


O autarca portuense, que foi também velejador durante vários anos, reforçou que a “vela é um desporto de futuro, por não ser poluente, por ser um desporto amador e por ser, também, uma experiência de vida para os mais jovens. De resto, esta prova só vem confirmar a nossa região como um destino internacional de excelência para a vela”, destacou. 


Devido ao atual contexto pandémico, o Porto Finn Gold será vedado ao público, enquanto os participantes vão estar sujeitos a um plano de contingência específico, de acordo com todas as normas recomendadas pela Direção-Geral da Saúde.


Encontram mais informações na página oficial do evento: http://2021.finngoldcup.org/.

Mais artigos

  • Ágora - Cultura e Desporto do Porto


    Atualizado pela última vez 2021-04-23